Esdras, o escriba e sacerdote que liderou um grupo de aproximadamente cinco mil pessoas, quando do retorno dos judeus do exílio Babilônico em 457 a.C. O movimento restaurador provocado pela liderança de Esdras, chegou até mim pelas páginas da maravilhosa Palavra de Deus, viva e eficaz! Esdras, era um homem simples, que vivia entre o povo, mas transformou uma nação, porque vivia de forma diferente, buscando a Deus, sem desanimar.
A expansão da Igreja Cristã, em Atos dos Apóstolos, pode ser divida em duas etapas distintas: a primeira, de forma espontânea, vai de Jerusalém a Samaria; a segunda, de forma planejada e intencional, vai de Antioquia a Roma, sem impedimento algum. A vocação da Igreja é ser universal, invisível e perfeita. É local, mas a sua glória é que ela não é local. Ainda que visível, fermenta o mundo em sua invisibilidade.
Sempre exato e preciso em suas informações, Lucas divide sua narrativa em episódios rigorosamente encadeados, objetivando mostrar o avanço sistemático e logístico da Igreja de Cristo, embora pareça que esta, logo no início, haja se expandido de maneira espontânea.
Para os cristãos de Atos dos Apóstolos, a missiologia não se acomodava no âmbito da teoria, mas dinamizava-se numa prática que levava a Igreja a forçar as portas do inferno através da proclamação do Evangelho de Cristo.
Fez Lucas, em seu evangelho, um relato fidedigno e metódico de 'todas as coisas que Jesus começou a fazer e a ensinar até ao dia em que, depois de haver dado mandamentos por intermédio do Espírito Santo aos apóstolos que escolhera, foi elevado às alturas' (At 1.1-2). Já em Atos dos Apóstolos, pôs-se ele a narrar a expansão da Igreja de Cristo.
As evidências internas de Atos dos Apóstolos levam-nos a concluir que tenha Lucas escrito o livro por volta do ano 61. Paulo ainda vivia quando o autor encerrou a obra e, logo em seguida, remeteu-a ao excelentíssimo Teófilo.
Lucas endereçou tanto o seu evangelho como os Atos dos Apóstolos a um nobre romano, de ascendência grega, conhecido simplesmente como Teófilo. Em grego, este nome significa aquele que ama a Deus. Acerca desse personagem, temos várias hipóteses.
Abraão havia adquirido o inabalável dom da fé. Enfim, Abraão havia chegado ao seu destino: ele era um com Deus e não havia nada no mundo mais precioso do que esse relacionamento. Qual é o 'Ló' que ainda nos acompanha? Qual é a 'Agar' que abraçamos como nossa? Esses peregrinos precisam ficar para trás, não são herdeiros das mesmas promessas que nós.
Os anais da história estão repletos de homens que deixaram um rastro sombrio na nossa lembrança. Homens assassinos, déspotas sanguinários. Homens incendiários como Nero. Homens traidores como Judas. Homens perversos como Hitler. Mas, talvez, nenhum homem tenha excedido em perversidade a Manassés.
A abertura do Mar Vermelho constituiu-se num bem permanente na vida do povo. Era um referencial de fé. Quando o povo se enfraquecia, lembrava-se daqueles dias, em que Deus proveu a salvação e o livramento.
Elias se foi - mas seu manto caiu no chão. Quando Eliseu viu isto, rasgou suas próprias vestes, deixou-as em pedaços e pôs o manto de Elias nas costas. Então voltou ao Jordão e fez como seu mestre havia feito: tirou o manto e bateu com ele nas águas. Imediatamente estas águas se abriram, e Eliseu fez a travessia no seco.
A Porta Formosa media 25 metros de altura por 21 de largura e era toda adornada de ouro e prata, era preciso cerca de 20 homens para abri-la e fechá-la. Aquele coxo e aquela porta era um grande contraste entre a fortuna e a miséria, de um lado uma porta de ouro e prata e de outro um coxo pedindo uma esmola. 


Receba Estudos Biblicos todos os dias!
Cadastre-se seu e-mail! É Grátis
     Digite seu Email Abaixo
Emails Cadastrados

OBS: Não esqueça de confirmar seu email em seguida!