Tornou-se moda nos círculos evangélicos falar, quase que sem hesitação, do amor incondicional de Deus. É certamente uma mensagem agradável para as pessoas ouvirem e se ajusta a certo tipo de discurso politicamente correto. Onde nas Escrituras encontramos essa noção do amor incondicional de Deus? Se o amor de Deus é absolutamente incondicional, por que falamos às pessoas que elas têm que se arrepender e ter fé para serem salvas?
O homem é um ser tricótomo. O termo tricotomia significa 'aquilo que é dividido em três' ou 'que se divide em três tomos'. Em relação ao homem, o termo tricotomia refere-se às três partes do seu ser - corpo, alma e espírito. Há aqueles que entendem o homem como apenas um ser dicótomo, ou seja, que se divide em duas partes: corpo e alma (ou espírito). Os defensores da dicotomia do homem unem alma e espírito como sendo uma e a mesma coisa.
Assim como é impossível fazer um triângulo de um lado, é impossível fazer uma pedra tão pesada que não possa ser levantada. O que um Deus todo-poderoso pode criar, ele obviamente pode levantar. Colocando de outra forma - Deus pode fazer tudo que seja logicamente possível.
Respeitando os discordantes, quero expor aqui 7 razões pelas quais defendo a ordenação feminina - 1-Em Cristo acabam as distinções étnicas, sociais e sexistas, 2-A atividade pastoral é, antes de tudo, um dom, 3-O Dom de Profecia é dado tanto a homens quanto a mulheres, 4-O sacerdócio universal dos crentes, 5-Foi a uma mulher que Jesus confiou o primeiro 'ide' após Sua ressurreição, 6-Há evidências de que havia liderança feminina na igreja primitiva e 7-Porque está comprovada a capacidade feminina em exercer qualquer papel antes atribuído somente aos homens...
Na prática do aconselhamento, o que tenho percebido é que muitos dos que são ‘libertos’ por aí passaram por estas ‘sessões de exorcismo’ em público. Mas será que isso por si só é suficiente? A cura e a libertação estão com isso automaticamente garantidos?
Tanto a bênção quanto a maldição devem ser entendidas no contexto da ‘aliança’. Em Dt. 27 e 28, Deus está fazendo uma aliança com o seu povo. A Bíblia em todo o seu conteúdo, mostra-nos que a forma de Deus relacionar-se conosco sempre foi através de alianças. Conseqüentemente, a causa básica das maldições é a desobediência, o romper da aliança.
É apropriado para os cristãos proteger seus corações e mentes e evitar todas as influências corruptoras do mundo. Aquele que é convertido a Cristo precisa abandonar muitas das coisas que antes lhe dava prazer, incluindo músicas como forma de entretenimento que contenham letras indecentes ou que encorajam rebelião contra a vontade de Deus.
Deus envia seus anjos para assistir aos 'pequeninos', que são os seus discípulos, os filhos de Deus pela fé, comparados a crianças. A passagem bíblica  não está ensinando que cada crente ou criança tem seu próprio 'anjo da guarda'. Ela simplesmente expressa o cuidado geral de Deus por seu povo através dos anjos.
É um equívoco dizer que o amor de Deus é incondicional, para que seja assim o amor de Deus deveria cumprir duas condições que estão implícitas no termo incondicionalidade - a não necessidade de pré-requisito e a não expectativa de reciprocidade. Deus ama para ser amado. Se Deus amasse incondicionalmente a salvação teria de ser universal.
Para o verdadeiro cristão, a morte não é o fim da vida, mas o início de uma plena, sublime e eterna comunhão com Deus. Quando o cristão morre, embora o corpo permaneça na terra e seja sepultado, no momento da morte, a alma vai imediatamente para a presença de Deus, cheia de alegria.
Entre as aflições da vida, a enfermidade é a que mais temos dificuldade em aceitar. A enfermidade é algo que vem ao homem por causa da entrada do pecado no mundo, mas pode ser tanto um castigo divino, como uma oportunidade para a manifestação das obras de Deus na vida do crente.
Dízimos à Luz da Palavra. Ultimamente, o dízimo tem sido um assunto muito polêmico nas igrejas. Muitas discussões têm se levantado sobre dar o dízimo ou não. Na verdade, a expressão correta é entregar, devolver ao Senhor. Vejamos o que diz as escrituras...