Se você é filho de Deus, você é co-herdeiro com Cristo Jesus do amor de Deus, e esta é uma promessa para os seus filhos. A Palavra de Deus não ensina que os nossos pecados serão cobrados dos nossos descendentes. Nisto percebemos que o cultivo de uma cultura familiar corrompida por vícios, idolatria e imoralidades, ensinados pelos pais aos filhos trará a ausência das bençãos pactuais de Deus, mas, cada um será responsável por si... A doutrina da maldição hereditária nega tanto a suficiência de Cristo, em perdoar graciosamente os nossos pecados, como a fidelidade de Deus em cumprir as Suas promessas.
Todo aquele que se diz ministro e não vive nas normas de Cristo, é mentiroso e está a seviço do diabo, que também usou a Bíblia para tentar Jesus no deserto, hoje muitos supostos ministros usam a Bíblia como marketing comercial, porém, de Deus não se zomba, coisa horrível é cair nas mãos do Deus vivo.
Infelizmente, podemos dizer que muitos cristãos hoje em nossas igrejas agem da mesma forma, adoram aparecer na mídia, serem bajulados, serem artistas, ídolos do povo. Muitos se tornam um empecilho para as pessoas novas na fé, aquelas que querem ter um relacionamento verdadeiro com Cristo, desejam obedecer aos princípios bíblicos e, ao olharem para estes 'cristãos fariseus', se decepcionam a ponto de abandonarem a fé.
Um falso profeta é aquele que afirma falar em nome de Deus, sem contudo representar a Deus ou mesmo pertencer a Ele.  Além disso um falso profeta propaga ensinos antagônicos as Escrituras, tomando para si uma autoridade que não lhe pertence afirmando ser aquilo que Deus diz que Ele não é. Isto posto, elenco 10 características de um falso profeta...
O Senhor Jesus não carregou nossas enfermidades na cruz. 'Ele tomou as nossas enfermidades' significa que, durante Sua vida terrena, Jesus tirou as doenças de muitos. Mas não está escrito que Jesus estivesse com AIDS, hepatite ou câncer quando estava dependurado na cruz, como se chega a afirmar.
Cremos que a visitação da maldade por Deus, sobre a terceira e quarta geração é para os que aborrecem a Deus, e não para os nascidos de novo; para estes, Deus tem prometido fazer misericórdia a milhares de seus descendentes. A maldição não é transmitida diretamente e sim os efeitos do pecado sobre os filhos. Se alguém aceita a Jesus, é nascido de novo, sua vida está debaixo da proteção divina, não cabendo mais nenhuma condenação ou maldição.
Quando o Espírito de Deus está agindo num culto, Ele impele os adoradores a fazerem coisas que aos homens podem parecer estranhas, mas que são coisas do Espírito. Se há um mover do Espírito no culto, as pessoas têm liberdade para fazer o que sentirem vontade, já que estão sendo movidas por Ele, não importa quão estranhas estas coisas possam parecer. E não se deve questionar estas coisas, mesmo sendo diferentes e estranhas. Não há regras, não há limites, somente liberdade quando o Espírito se move no culto
Irmãos amados, precisamos definitivamente estar e permanecer casados com o Evangelho da graça de Deus. Porque fora do Evangelho só há barganhas. Hoje a preocupação dos 'crentes' é tão somente com as coisas terrenas e não as celestiais. Qual será o fim disto?
Um crente pode divorciar-se legal e espiritualmente de seu cônjuge, se este é incrédulo. e se esse cônjuge incrédulo é que quer o divórcio (I Cor. 7:10-15). Diante de tal conjuntura o crente pode casar-se de novo, tendo sido abandonado por seu cônjuge. Essa é a interpretação de alguns (incluindo eu mesmo), embora outros neguem tal direito.
Analítica e biblicamente falando, considerando os dias atuais, a aplicação deste versículo não condiz com o compromisso proposto por alguns pregadores, nem com as considerações bíblicas, de como se o apóstolo Paulo tivesse usado sua exortação também para futuras conversões dentro do plano da salvação hereditária.
Divórcio não é algo recomendado por Deus e nem que O agrada, mas, à luz da Bíblia, há uma circunstância em que o divórcio é permitido. De acordo com a Bíblia, para Deus, o ideal é que não haja traição e que, havendo, o perdão seja liberado. Mas, por causa da dureza do coração do homem (Mateus 19.8), da sua incapacidade de perdoar, o traído pode divorciar-se e casar-se de novo. O divórcio deve ser empregado apenas em última instância, quando o adúltero não demonstrar arrependimento genuíno repetindo esse ato vil.
De acordo com a Palavra de Deus, existe a possibilidade de pessoas salvas, que não perseverarem até ao fim, terem os seus nomes riscados do livro da vida do Cordeiro (Ap 3.5). Em Êxodo 32.32,33 vemos essa verdade na intercessão de Moisés pelo povo - 'Agora, pois, perdoa o seu pecado; se não, risca-me, peço-te, do teu livro, que tens escrito. Então, disse o Senhor a Moisés - Aquele que pecar contra mim, a este riscarei eu do meu livro'.