Estudo Bíblico Sobre Natal, Grande Alegria Para Todo o Povo


“É que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor” (Lucas 2.11).

Muitas vezes do sofrimento brota a alegria, como por ocasião do nascimento de um bebê. O milagre do Natal também foi assim. Havia chegado o ano da salvação quando o milagre divino do nascimento de Jesus adentrou nosso tempo vindo das esferas supra-temporais. Deus se compadeceu de nosso sofrimento e da miséria do pecado das pessoas que criara, e lhes enviou o Salvador. Aconteceu aquilo que Deus havia planejado, exatamente de acordo com Seu plano perfeito. Gálatas 4.4 diz: 
“Vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei”.  Gálatas 4.4
 
Deus já havia mandado Isaías profetizar esse grande evento, fazendo-o falar como se o Natal já tivesse acontecido: 
 
“O Espírito do Senhor Deus está sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar boas-novas aos quebrantados, enviou-me a curar os quebrantados de coração, a proclamar libertação aos cativos e a pôr em liberdade os algemados; a apregoar o ano aceitável do Senhor e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os que choram” (Is 61.1-2).
 
Esse acontecimento supremo da história da humanidade e do Plano de Salvação, o nascimento do Salvador Jesus, teve conseqüências tão transformadoras que, desde então, começou uma nova contagem de tempo para o mundo. Quem pode derrubar essa realidade? Todos têm de aceitar que a vinda de Jesus foi revolucionária. Outra data igualmente importante para a humanidade será o dia de Sua volta a este mundo.

Filho de Deus e Filho do Homem

O Filho de Deus, em sua pré-existência Deus e Criador do mundo, entrou na estreita estrada de mão-única de nossa vida e deseja renovar e transformá-la radicalmente. Mas para isso precisamos abrir a porta de nosso coração para que possa entrar, uma vez que Ele não vem como ladrão arrombando-a. Ele não força a entrada, mas espera ser convidado para entrar:
 
“Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo” Apocalipse 3.20.
 
O apóstolo Paulo descreve a seu filho na fé, Timóteo, o mistério da vinda de Jesus como Filho do Homem da seguinte maneira: 
 
“Evidentemente, grande é o mistério da piedade: Aquele que foi manifestado na carne foi justificado em espírito, contemplado por anjos, pregado entre os gentios, crido no mundo, recebido na glória” (1 Tm 3.16).
 
Segundo o sábio desígnio de Deus, para nossa salvação o Senhor Jesus deveria tornar-se homem e cumprir a mais difícil de todas as tarefas. Jesus aceitou o plano de Deus, concordou com os desígnios divinos e entregou Sua vida em sacrifício de resgate por nós. Somente Ele, que não tinha pecado, podia assumir essa incumbência. Em 1 Pedro 2.24 está escrito: 
 
“Carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados, para que nós, mortos para os pecados, vivamos para a justiça; por suas chagas, fostes sarados.”  1 Pedro 2.24
 
Pessoa alguma consegue imaginar o que custou para nosso amado Senhor Jesus Cristo assumir e suportar esses cruéis sofrimentos e a morte por nós. Mas o eterno Filho de Deus se dispôs a deixar Sua glória celestial para assumir a forma humana e morrer por nós pecadores como cordeiro de sacrifício! Essa é a amarga realidade – mas também a realidade salvadora, que não deve nem pode ser calada no Natal.

O Que César Augusto Jamais Sonhou

Para que o Natal viesse a se realizar, Deus tomou providências no céu e na terra, providências que incluíam até o imperador romano. O poderoso César Augusto pode ter se iludido com a idéia de que a primeira contagem e o recenseamento da população de Canaã, juntamente com seus súditos, tenha sido fruto de sua própria sabedoria. Mas na realidade isso não foi nada mais que a execução do sábio plano divino. Entre os judeus Deus encontrou José e Maria, um casal que era temente ao Senhor e que humildemente permitiu ser guiado pela mão divina. Em Nazaré, José jamais teria tido a idéia de viajar com sua esposa grávida até a distante cidade de Belém. O que ele iria fazer ali, num lugar tão pequeno e afastado? No máximo, visitar seus parentes.

José, descendente do rei judeu Davi, vivia em Nazaré como modesto carpinteiro (tecton em grego, alguém que trabalha em edificações), em fraqueza humana mas com o caráter de um tsadiq, um justo. Deus se agradava dele, e José permitiu que anjos divinos o conduzissem através das maiores complicações, fazendo-o superar grandes obstáculos.

Maria, uma jovem judia íntegra e sincera foi eleita pela soberana vontade do Senhor para ser a mãe de Jesus. Deus “contemplou na humildade da sua serva” (Lc 1.48). O Senhor realizou através dela o maravilhoso milagre da concepção virginal. Isso já havia sido predito 700 anos antes pelo profeta Isaías: 
 
“Portanto, o Senhor mesmo vos dará um sinal: eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel” (Is 7.14).
 
O mundo se escandaliza e não aceita esse grande acontecimento como sendo real. Mas se derrubamos essa verdade, a Verdade toda cai por terra! Como poderia Deus, que criou todo o universo e as leis da natureza, ser incapaz de suspendê-las para cumprir Seus desígnios? Ele, a quem todos os elementos da natureza estão sujeitos, não precisa nos perguntar se pode fazer alguma coisa ou não. Ao realizar milagres e atos sobrenaturais, Deus está testando nossa fé e nossa disposição de confiar nEle de todo o coração.

Caso as Sagradas Escrituras contivessem uma única inverdade, ela seria inverossímil como um todo e não poderia mais ser chamada de Palavra de Deus. A própria Escritura explica que, no caso dessa gravidez, a natureza não esteve em ação mas foi o Espírito Santo que agiu: 
 
“Respondeu-lhe o anjo: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te envolverá com a sua sombra; por isso, também o ente santo que há de nascer será chamado Filho de Deus. Porque para Deus não haverá impossíveis em todas as suas promessas” (Lc 1.35,37).
 
Já em Gênesis está escrito:
 
“Acaso, para o Senhor há coisa demasiadamente difícil?” (Gênesis  18.14).


Se Maria Soubesse

Jamais, de forma alguma, Maria foi aquilo que a igreja católica, com seus dogmas, fez de sua pessoa. Maria foi estilizada e elevada à posição de “deusa” a quem as pessoas dirigem suas orações. Ao fazer isso, estão roubando a honra do único Deus verdadeiro e do Salvador Jesus Cristo! O papa João Paulo II faz aumentar ainda mais essa devoção a Maria. Como sentimos compaixão desse povo enganado! Maria ficaria extremamente chocada se soubesse o que fizeram dela. Guardemo-nos dessa superstição mariana!

A própia Maria louva o Senhor com humildade de coração: 
 
“A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador, porque contemplou na humildade da sua serva...” (Lc 1.46-47).
 
Maria! Como deixaríamos de honrar sua memória? Mas nada além disso! Deus a considerou digna de ser a mãe do Messias mas depois de Jesus ela teve outros filhos, cujos nomes são citados pela Bíblia (Mt 13.55-56).

Da Manjedoura Para a Cruz

       Em pensamento acompanhemos o jovem casal, Maria e José, em sua longa e penosa jornada até Belém. Pois lá – e em nenhum outro lugar do mundo! – deveria nascer o Salvador da humanidade como uma criança judia. Deus o predisse ao profeta Miquéias 700 anos antes:
 
“E tu, Belém-Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade” (Mq 5.2).

Belém-Efrata, um pequeno lugarejo situado entre vinhedos e olivais, é a cidade judaica onde nasceu o rei Davi. Exatamente ali nasceu também o Messias, o futuro Rei dos reis. Belém significa casa do pão e Efrata quer dizer frutífero. Belém, pequena cidade! Como esse lugar é precioso para nós! Como nos faz feliz a época do Natal! Mas para o Messias, para o Rei e Senhor, não se achou um abrigo ou um lugar de acordo com sua importância.

Estrebaria e manjedoura não têm relação alguma com romantismo e meiguice, pois testemunham amarga pobreza. Porém, Deus o quis assim. O Senhor planejou que Seu Filho não tivesse um palácio à disposição. Sua vida sobre a terra foi, desde o primeiro momento, caracterizada por pobreza e privação. O caminho de Jesus nesta terra começou em uma manjedoura e terminou na cruz do Calvário.

Como o único sacrifício determinado por Deus, Ele trouxe expiação para nossos pecados através de Seu sangue. No madeiro maldito Ele trouxe salvação para nós pecadores. Isaías o profetizou muito tempo antes:
 
“Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e, como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca” (Is 53.7).

Dessa forma Deus nos presenteou Seu Filho Jesus no Natal – e o que fizemos de Seu aniversário? Uma festa de consumo e luxo! Será que pensamos em Seu nascimento quando estamos sentados à mesa da ceia do Natal, rodeados de familiares e amigos ou na hora em que abrimos nossos presentes?

Belém! Aqui, neste lugar, o céu se abriu e os anjos trouxeram as boas-novas a um grupo de humildes e amedrontados pastores que guardavam suas ovelhas durante a noite. A mesma mensagem que encheu seus corações de alegria é anunciada a cada um de nós ainda hoje:
 
“E um anjo do Senhor desceu aonde eles estavam, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles; e ficaram tomados de grande temor. O anjo, porém, lhes disse: Não temais; eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo: é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos servirá de sinal: encontrareis uma criança envolta em faixas e deitada em manjedoura. E, subitamente, apareceu com o anjo uma multidão da milícia celestial, louvando a Deus e dizendo: Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem” (Lc 2.9-14).

Agora Ele havia chegado! A prometida luz, a brilhante estrela da manhã, da qual os profetas falaram: 
 
“O povo que andava em trevas viu grande luz, e aos que viviam na região da sombra da morte, resplandeceu-lhes a luz” (Is 9.2).
 
Em cumprimento de profecias do Antigo Testamento, Jesus falou a Seu povo: 
 
“Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida. Eu vim como luz para o mundo, a fim de que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas” (Jo 8.12; 12.46).
 
Ele fala hoje a você e a mim! Quem permitir que a luz da graça de Deus, que é Jesus, ilumine sua vida, participará do Seu reino de paz e alegria.
 

O Berço do Cristianismo Ontem e Hoje

Belém! Lugar de feliz memória, berço do cristianismo! Como nosso coração se comove quando pensamos na vinda do Messias a esse lugar tão singelo. Mas hoje? É um lugar de miséria e desconsolo, dominado pelo islã. O poder do mal tenta apagar a luz do Evangelho. Tudo o que lembra a história judaica está sendo destruído e aniquilado com brutal violência em Belém.
 
Onde nasceu o Filho de Deus, hoje se ouve gritar “Alá akbar!” No Corão, na Sura 9.30, está escrito: “...os cristãos dizem: ‘O Messias é o filho de Deus.’ Essas são suas asserções. Erram como erravam os descrentes antes deles. Que Deus (Alá) os combata!”. Será que o Corão de fato triunfará sobre a eterna Palavra de Deus? Por que Jesus permite que o lugar de Seu nascimento seja profanado? Será que pessoas que se dizem cristãs fizeram de Belém um santuário, venerando um lugar ao invés de honrar o próprio Senhor em obediência de fé? Será que estamos dando mais honra ao que foi criado do que ao próprio Criador?
 
Deus não deixa que Lhe roubem Sua glória

Jesus odiava e censurava toda a hipocrisia e as cerimônias meramente exteriores. Hoje não é diferente. Ele procura por corações sinceros, que produzam gestos de amor movidos pelo Espírito. Colossenses 1.10 nos conclama: 
 
“a fim de viverdes de modo digno do Senhor, para o seu inteiro agrado, frutificando em toda boa obra e crescendo no pleno conhecimento de Deus”.  Colossenses 1.10
 
Todos os gestos apenas exteriores são uma abominação para Deus:
 
“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia! Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas, por dentro, estais cheios de hipocrisia e de iniqüidade. Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque edificais os sepulcros dos profetas, adornais os túmulos dos justos” (Mt 23.27-29).

De que adianta ajoelhar-se no local onde Jesus nasceu? O que trazem as peregrinações para a Terra Santa se a imundícia dentro do coração não é reconhecida e muito menos tirada? De que servem as pomposas festas de Natal se a impureza e a desobediência continuam a crescer desordenadamente em nosso coração? Se desejamos que Deus se agrade de nossa vida, precisamos andar humildemente pelo caminho estreito, seguindo os passos de Jesus em nosso viver e em nosso querer. Jesus entra onde encontra corações receptivos. Pessoas de coração aberto para Deus têm a promessa de O verem face a face.

Jesus não quer apenas ser convidado de honra em uma festa; Ele deseja ser o Senhor de nossa vida e reinar em nossos corações! Por isso, preparar a obrigatória festa em dezembro não resolve nosso problema interior mais profundo. Só a entrada de Jesus em nosso próprio coração nos traz aquilo que tanto ansiamos e esperamos.

O “menino Jesus” Vai Voltar!

Em todos os Natais, quando celebramos o nascimento de Jesus, não fiquemos apenas pensando no pequeno e indefeso bebê na manjedoura. Jesus é o Senhor, o Rei de todos os reis, que em breve voltará triunfante. É para esse acontecimento grandioso que devemos direcionar nossa atenção.

Onde ainda impera a escuridão do pecado, a luz da Sua graça pode iluminar cada recanto. Ele mesmo diz em João 8.12: 
 
“Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida”.   João 8.12
 
Hoje, mais do que nunca, Jesus envia pessoas que levam mundo afora a clara luz do Evangelho, mensageiras da paz àqueles que vivem angustiados por seus pecados ainda não perdoados. O poder das trevas se levanta e tenta impedir que a luz avance e que o plano de paz divino se concretize em muitos corações. Mas Jesus é o Vencedor! Coloquemo-nos do Seu lado! O que Isaías ouviu Deus dizer a respeito de Seu Filho Jesus irá se cumprir integralmente: 
 
“Pouco é seres meu servo, para restaurares as tribos de Jacó e tornares a trazer os remanescentes de Israel; também te dei como luz para os gentios, para seres a minha salvação até à extremidade da terra” (Is 49.6).
 
Logo, Zacarias 2.10 é válido também para nós e podemos nos alegrar juntamente com Israel: 
 
“Canta e exulta, ó filha de Sião, porque eis que venho e habitarei no meio de ti, diz o Senhor”.  Zacarias 2.10
 
Nossa alegria será plena quando virmos Israel se alegrando conosco pela volta de Jesus.

O Natal deste ano poderá ser um Natal muito feliz, apesar das dificuldades e problemas, para todos os que experimentaram o perdão dos pecados através do sangue de Cristo. Em Jesus, desejo a você um Natal de genuína alegria, com as bênçãos de Deus!
|  Autor: Burkhard Vetsch  |  Divulgação: estudosgospel.com.br |


Receba Estudos Biblicos todos os dias!
Cadastre-se seu e-mail! É Grátis
     Digite seu Email Abaixo
Emails Cadastrados

OBS: Não esqueça de confirmar seu email em seguida!