Por que falar sobre o pecado? Não seria melhor falar uma mensagem de conforto em vez de uma mensagem de confronto? Não seríamos mais aceitos se exaltássemos as virtudes das pessoas ao invés de condenarmos os seus vícios? Saiba qual é o pior dos pecados, de que maneira se manifesta e como vencê-lo.
Inveja é concupiscência dos olhos que almeja mais do que deveria, é ganância descontrolada por possuir o que pertence a outro e como se não bastasse: inveja deseja que o outro perca o que tem. E você pergunta: Então os cegos não invejam, eles não têm como olhar?! Nossa alma tem olhos, tudo passa pelos nossos sentidos. O coração com saúde é a vida da carne, mas a inveja é podridão dos ossos. Provérbios 14.30
Quero trazer á tona a mesma lista de iniquidades escrita aos gálatas e ressaltar dois pecados que ocorrem de forma quase imperceptível para que haja melhor compreensão e, na sequencia textos bíblicos que mostram de forma incontestável que a inveja e o ciúme, são sentimentos carnal e abomináveis aos olhos de Deus.
Existem dois tipos de orgulho o benigno e o maligno, o primeiro é agradável aos olhos de Deus, acontece quando alguém consegue conquistar com muito esforço algo que já vinha querendo há certo tempo, é também aquele causado quando há uma alegria imensa em honrar e servir ao Senhor no seu reino, esse tipo de orgulho alegra o coração de Cristo, o segundo é quando uma pessoa pensa que faz as coisas sempre melhor que os outros, assim causando em si um sentimento de superioridade devido a méritos pessoas, este é o que irá ser relatado nesse artigo combatendo o maligno orgulho.
Um desejo forte, constante e insaciável. Existe o desejo legítimo e a cobiça. O primeiro refere-se ao suprimento das necessidades e, em alguns casos, um pouco mais, atingindo o nível do conforto. O segundo vai muito além, alcança o excesso e avança rumo ao proibido. Mas onde está a exata fronteira entre uma e outra coisa?
A inveja é um grave pecado que está presente na vida em família, na vida em sociedade e na comunidade cristã, inclusive entre os seus líderes. O invejoso não deseja o lugar ou os bens do outro, mas que o outro não seja bem sucedido em suas realizações e na vida. 
O livro de Apocalipse nos apresenta a queda da grande Babilônia, o império que dominava e oprimia as pessoas. Riquíssimo e poderoso, deixou-se perder na luxúria. A derrota, o enfraquecimento moral, a queda são precedidos por uma vida de luxúria.
A ira é um estado emocional caracterizado pelo acúmulo de irritação tal que leva o indivíduo a um descontrole emocional sem precedentes. Isso pode levá-lo a ações comprometedoras.
Maledicência é difamação de alguém -  falar mal de alguém – postura condenada por Tiago (Tg 4.11). Em lugar disso, devemos imitar o exemplo de seu Mestre, cujas palavras eram tão cheias de graça, que as multidões se maravilhavam (Lc 4.22).
Há duas espécies fundamentais de mentira: 'jactância, que consiste em exagerar a verdade; e a ironia, que consiste em diminuí-la. Nestes dois casos não se trata de simples mentira, mas de vícios mais graves'.
A inveja é o desejo de possuir muitas coisas por meios ilícitos, tendo como ponto de partida o olhar fixo no que é dos outros, desejando para si, lamentando por que ainda não está em seu poder. É um ressentimento profundo, que se aninha na mente da pessoa e passa logo a gerar outras ações, tais como a cobiça, a ganância, a maledicência.
A murmuração é uma tentação sempre presente diante de nós. Pode até tornar-se um hábito. Conter a língua, ou falar o que é certo, de maneira correta, na hora apropriada e com quem deve ouvir, é uma arte que nem todos dominam.