Estudo Bíblico sobre Um Novo Propósito de Vida


Quem somos e para que existimos?

Há, com certeza, milhares de livros escritos sobre o propósito da vida. Como cristãos podemos avaliar como é bom viver e lutar as batalhas de cada dia. Situações há, muito difíceis, que até mesmo o mais equilibrado de nós perderia o gosto de viver. De repente, alguém enviado por Deus aparece diante de nós com palaras de ânimo e consolo.

Poucos dias atrás, quando vinha do trabalho, passei perto de uma casa humilde onde se faz cultos cristãos. E, uma mulher estava pregando assim: Que Deus nos conhece por dentro e por fora, que já tinha preparado as bênçãos de alguém. Como trabalho a 15 minutos de casa, posso ir e vir a pé e para encurtar a distância, caminho pela rua principal da favela Maracanã. Fiquei comovido quando ouvi aquelas palavras simples, que certamente caíam como bálsamo aos ouvidos de alguns que estavam ali justamente a procura de consolo. Não importa o gráu de erudição, uma palavra boa na hora que precisamos é como água no deserto. Ela nos faz muito bem e foi por este motivo que fui movido a escrever esta mensagem.

Deus nos criou com o propósito principal para amar e ser amados.

A vida é um ato de seu amor. Muitos já não existem, mas nós estamos vivos. E este amor tem várias faces ou frutos. Amar é esperar, agradecer, ter paciência, receber ofensas sem reagir com violência. O amor é o contrário do egoísmo. Amar também é corrigir, dizer não, não ceder a pedidos perigosos... e Amar também é comunicar aos outros palavras de ânimo naquilo que têm necessidades.

Ao ouvir de passagem as palavras daquela mulher, lembrei-me dos meus dias de tribulação. De vez em quando aparecia alguém para dizer o quão Jesus me amava e se importava comingo. A "gente" sabe disse, mas nunca é demais sermos lembrados. Passamos pela vida tão rapidamente que podemos nos esquecer para que fomos criados. Entendo que fomos criados para levar felicidade ao próximo.

Amar é consolar. O Espírito Santo de Deus é chamado de Consolador.

Atos 13;15: "E, depois da lição da Lei e dos Profetas, lhes mandaram dizer os principais da sinagoga: Varões irmãos, se tendes alguma palavra de consolação para o povo, falai."

2 Coríntios 1;3: "Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e o Deus de toda consolação,"

2 Coríntios 1;7: "E a nossa esperança acerca de vós é firme, sabendo que, como sois participantes das aflições, assim o sereis também da consolação."

Ele precisa de cristãos que levem as palavras da consolação para os aflitos. E, para consolar, primeiro há de ter sido consolado, justamente por ter sido antes afligido. Deus prepara consoladores para seu povo assim como o ferreiro forge a ferramenta no fogo. Não podemos guardar a experiência da consolação somente para nós. Há muitos desesperados e aflitos por aí com aparências e comportamentos discretos. Aflições não acontecem apenas à determinada classe social. Há pessoas desesperadas e sem rumo em todas as classes.

Nascemos para levar a paz de Deus para alguém.

Crescermos na graça e no conhecimento de Deus. Foi o conselho do Apóstolo Pedro. Há propósitos definidos por Deus para cada um de nós. E, longe da vontade de dEle, não os saberemos. Não podemos ser felizes se não temos tempo para deixar o amor de Deus nos guiar pelo Espírito. Quem sabe somos como casas escuras, sem portas e sem janelas, porque não há por onde a luz do sol entrar. Podemos ser mais felizes quando fizermos outros felizes.

Temos duas vidas para cuidar: a social e a espiritual. Deve acontecer um equilíbrio entre as duas. Por vida espiritual, não estamos falando de religião, de assistir o culto uma vez por semana e voltarmos para casa pensando que estamos servindo a Deus. Deus não se satisfaz com torcedores ou simpatizantes. Ele deseja que estejamos engajados segundo o Seu próposito para nós . Quem sabe, apenas duas horas planejadas por semana, na direção do amor de Deus, sejam mais produtivas que todo o resto do ano? Por outro lado, temos famílias, estudos, o trabalho semanal para exercitar. O equilíbrio não está no fanatismo nem na esterilidade. Ele, como a própria essência da palavra já diz, está no meio.

Temos que sonhar projetos pessoais e espirituais. Um livro do Capitão Cook levou Willian Carey, um simples sapateiro inglês, a sonhar com missões em terras distantes. Ele foi muito produtivo na Índia. Um sapateiro obstinado que chegou a aprender e a editar a Bíblia em sânscrito, a língua dos Brâmanes - os filhos nascidos da cabeça de Buda. O que o levou tão longe a ponto de conseguir a mudança das leis ingleses para que as "Índias Orientais" pudessem ser evangelizadas?

Foi um sonho. Mas, naquele sonho estava a voz de Deus. Carey a ouviu. Tudo o que podia dar errado em seu caminho para a Índia, deu. Mas a partir de certo tempo, o vento contrário foi mudando, mudando, e se tornou favorável. Isto está registrado no maravilhoso livro "Fiel Testemunha", uma biografia de William Carey.

José do Egito também foi um sonhador. Do fundo do poço a ministro de faraó, foi o espaço de tempo que Deus trabalhava para um propósito maior na sua vida e na segurança de Israel.

Recentemente, tive a oportunidade de ouvir a história verídica de um vovô, de mais de 60 anos, que tinha o sonho de fazer missões na África. Como era uma pessoa fora dos padrões, a Secretaria de Missões da sua Igreja não aprovou. O vovô, continuava dando trabalho, dizendo que Deus tinha um plano para sua vida na África. Então o Secretário de missões tentou convencê-lo de todas as formas que sua oportunidade havia se passado. Depois jogou mais duro: foi conversar com a família do vovô, alertando sobre os desvarios do velhinho. Mesmo com todos contra: Igreja, Secretaria de Missões e família, aquele vovô escorregou por entre as mãos de toda oposição e foi, sim, para a África. E, lá, Deus prosperou o seu projeto. Ele soube discernir a voz de Deus e não se abateu com a oposição.

Para exercitar a consolação, podemos visitar, orar junto com alguém na visita; com poucas perguntas podemos conhecer as necessidades e a realidade das pessoas; os enfermos merecem nosso desvelo, os que estão sem alimentos precisam de nossa providência; os presos gostam muito de receber cartas, de uma bíblia; há uma multidão de jovens se engajando no tráfico precisando de uma palavra ousada do evangelho que lhes mude o rumo da vida.; basta planejar algum tempo para deixar que Deus possa nos dirigir que vamos descobrir coisas antes impensadas.

Muitos freqüentam uma Igreja há décadas apenas para ouvir e receber. O Evangelho Cristão é principalmete o dar alguma coisa. Não podemos ser eternos sanguessugas nem matar os propósitos de Deus pela omissão, indiferença ou negligência. Onde estão seus sonhos para a Obra de Deus?

Atos 20;35
"Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos e recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber."

Não podemos exercitar o amor de Deus apenas dentro das quatro paredes de uma Igreja. Até porque o que se ficarmos assim restritos exercitaremos outra coisa: a competição. Não era assim no começo e nem o pode ser agora. A obra do Senhor é com as ondas no lago: a partir da nossa casa, para a vizinhança, a parentela, a cidade, o estado, o país e até os confins da Terra.

Podemos estar passando por aflições como preparo para ouvirmos depois as orientações de Deus. A coisas que não estamos preparados para fazer, que demandam tempo e maturidade.

Deus se agrada de um espírito voluntário, que ora e trabalha sem ser movido a ordens. Os talentos não são para ser enterrados, mais usados na medida e habilidade de cada um de nós. É como o azeite no vaso da viúva, que pode ser multiplicado ao ter seu conteúdo derramado em outros vasos. Enchendo sem esvaziar.

Grandes bênçãos deixam de ser recebidas por motivo de falta de propósitos.

Passividade. É muito conhecido o versículo em Mateus 25:23: Disse-lhe o seu senhor: Bem está, bom e fiel servo. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor. Já em Mateus 21:22 está escrito assim: E tudo o que pedirdes na oração, crendo, o recebereis.

Como resposta a sua oração você pode ouvir palavras de alguém comentando ou conversando com você dentro daquele assunto. Deus usa de várias formas de comunicação para nos responder. Por exemplo: trabalho com coleta de literatura evangélica para grupos de cristãos dentro de presídios. Há poucos dias orava pedindo a Deus qual o destino das bíblias que tinha comprado e lições já coletadas. Lembro-me que pedi ao Senhor orientação para onde mandar. Não se passaram duas semanas e o carteiro deixou mais uma carta de um irmão presidiário. Com dois pequenos detalhes: Era do mesmo lugar onde recebi a primeira carta; tinha o mesmo erro do destinatário da primeira carta de cinco anos atrás. Duas "coincidências" memoráveis. Trocamos uma correspondência para melhor conhecimento, e lá se foi a 32ª caixa, com 13kg com Bíblias e lições bíblicas, para mais uma Igreja informal dentro de um presídio paulista

Deus não costuma chamar gente desocupada. Ele apenas chama que esteja trabalhando.
O Senhor mandou o profeta Samuel ungir o moço Davi para ser rei de Israel. Enquanto todos seus irmãos estavam em casa, ele estava trabalhando no campo. De outra feita, Deus falou com Gideão porque estavam colhendo e batendo o trigo no tanque de uvas, antes que os filisteus pusessem fogo na seara. Neemias reconstruiu os muros de Jerusalém porque ao ouvir sobre o estado da cidade se dispôs a fazer alguma coisa.

Para correr um quilômetro, é preciso que se dê a primeira passada.

As crises, as aflições, as lutas, as dificuldades, a fome, o desemprego, são circustâncias que Deus permite para que levantemos e andemos. Há um propósito por trás disso. Pode ter certeza. Mexa-se para descobri-lo.

E para terminar, uma Parábola do Grande Mestre:

Lucas 13:6-9
6 Então, Jesus proferiu a seguinte parábola: Certo homem tinha uma figueira plantada na sua vinha e, vindo procurar fruto nela, não achou. 7 Pelo que disse ao viticultor: Há três anos venho procurar fruto nesta figueira e não acho; podes cortá-la; para que está ela ainda ocupando inutilmente a terra? 8 Ele, porém, respondeu: Senhor, deixa-a ainda este ano, até que eu escave ao redor dela e lhe ponha estrume. 9 Se vier a dar fruto, bem está; se não, mandarás cortá-la.

| Autor: João Cruzué | Divulgação: EstudosGospel.Com.BR |


Receba Estudos Biblicos todos os dias!
Cadastre-se seu e-mail! É Grátis
     Digite seu Email Abaixo
Emails Cadastrados

OBS: Não esqueça de confirmar seu email em seguida!