Tsunami e o Alerta Espiritual Para o Fim do Mundo


         Recentemente, a humanidade presenciou perplexa uma das maiores fúrias da natureza que, em minutos, ceifou milhares de vidas humanas. Na ilha de Sumatra, na Indonésia, um terremoto seguido de maremoto, fez surgir na costa asiática ondas gigantes, conhecidas como tsunami. O monstro impiedoso e insensível, que não cogitou a idade, o sexo, a nacionalidade, a posição social e os projetos de vida de suas vítimas, agiu de forma cruel: sem aviso. Há muito a falar sobre o assunto. Ressaltaremos, entretanto, apenas dois fatos que nos chamaram a atenção. Primeiro, por não haver um sistema de alerta adequado, como, por exemplo, sismógrafos, que pudesse ter alertado as pessoas a saírem do raio de ação do tsunami, milhares morreram sem chances de reação. Segundo, os que perceberam o inexplicável desespero de elefantes, que instintivamente fugiam para os lugares mais altos e distantes das praias, ganharam, como recompensa, suas próprias vidas. Queremos ponderar sobre esses dois fatos e extrair algumas lições.
         Os homens julgam não ser lucrativo investir em países pobres, implantando neles tecnologia que produza informações que ajudem as pessoas a se anteciparem às catástrofes como a que vimos. Deus, entretanto, por amar a humanidade e considerá-Ia preciosa para Si, já estabeleceu Seu próprio sistema de aviso. O propósito para o qual o homem foi criado e os detalhes dos fatos que antecederão a segunda vinda de Cristo, já nos foram plenamente antecipados. Ele quer preencher o homem com Sua própria vida e pretende voltar para estabelecer Seu reino na terra, inicialmente por mil anos, depois, por toda a eternidade. Sua vinda está muito próxima. Para alguns, ela será fonte de grande regozijo, mas para outros, será como um tsunami sem precedentes.
         Felizmente, Deus tem espalhado "sismógrafos espirituais" em todos os lugares e em todas as épocas. Na verdade, depois da criação, Ele nunca deixou de compartilhar com o homem os detalhes de Seus projetos (Am 3:7). O próprio Senhor Jesus, ao ser questionado dos acontecimentos que antecederiam Sua volta, afirmou que ela não viria sem que primeiro viessem impostores afirmando ser Cristo e ocorressem guerras e rumores de guerras, lutas entre as nações, fome, terremotos, a morte de discípulos, o esfriamento do amor de quase todos e a pregação do evangelho do reino em todo o mundo (Mateus 24:3-14). De fato, as nações se organizam para o surgimento do anticristo, a moral do homem se degrada diariamente, a natureza se enfurece em catástrofes, os homens se odeiam cada vez mais, e Deus é banido das vidas daqueles que Ele criou. Esses são sinais tão claros que é impossível negar que já não os vimos. O que você, agora, está lendo não é um mero artigo cristão, mas um seguro "sismógrafo" a indicar a proximidade do fim.
         Se os sinais externos já nos são convincentes, que diremos do alerta de Deus a pulsar em nosso interior? Como os elejàntes da Indonésia, que ouviram a voz de seus instintos, estamos também, todo tempo, ouvindo a voz silenciosa de Deus em nosso interior. Esse falar faz-nos sentir que nossa vida, apesar de repleta de atividades, não possui satisfação e descanso. Embora sejamos úteis às pessoas, ainda nos achamos tão imprestáveis. Estudamos, trabalhamos, realizamos algo e, no fim, parece que nada fizemos. Nos momentos em que nos aquietamos, a vontade que temos é de chorar, pois não sabemos explicar a dor interior que sentimos. Que inquietação é esta em nosso interior? A resposta é simples: Deus está reclamando Seu legítimo lugar no mais profundo de nosso ser. Possuímos uma sede que só Ele pode saciar (Salmos 42:1,2).
         Você está atento aos fatos que informam a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo? Tem sentido carência de vida em seu interior? Qual tem sido sua reação diante dos sinais exteriores e interiores que Deus já lhe concedeu?
         Sugerimos a leitura dos textos bíblicos a seguir: Lucas 13:1-5; Mateus 24:3-14,27,28,32-44; 1Coríntios 15:15-22; 1Ts 5:1-3; 2Ts 2:1-12; 2Timóteo 3:1-9.

Vale a pena refletir um pouco sobre essas palavras!

Autor: Artigo enviado por email