Restituindo a Pérola do Prazer em Estudar a Palavra de Deus


TEXTO BÁSICO: 1 Pedro 2.1,2

INTRODUÇÃO

Desde 1991, a Organização Mundial de Saúde, em associação com a UNICEF, promove uma campanha mundial no sentido de proteger, promover e apoiar o aleitamento materno. A UNICEF calcula que o aleitamento materno exclusivo até o sexto mês de vida pode evitar, anualmente, 1,3 milhão de mortes de crianças menores de cinco anos.

O leite materno é um alimento completo para o recém-nascido até os seis primeiros meses de vida. Ele contém todas as proteínas, açúcar, gordura, vitaminas e água que o bebê necessita para ser saudável. Após os seis meses, a alimentação deve ser acrescida com outros alimentos.

Todo cristão recém-nascido precisa também ser amamentado. Ele necessita do genuíno leite espiritual da Palavra: “Desejai ardentemente, como crianças recém-nascidas, o genuíno leite espiritual, para que, por ele, vos seja dado crescimento para salvação” (1 Pe 2.2). Assim como um bebê chora pedindo o leite materno, todo cristão deve desejar ardentemente o leite da Palavra.

O estudo de hoje é sobre a Palavra de Deus, o alimento principal da dieta espiritual do cristão.

1. O LEITE NA BÍBLIA

A palavra leite (halab) aparece 40 vezes no Antigo Testamento, literalmente para indicar o leite de animais (Dt 32.14) e o leite humano (Is 28.9), e figuradamente para descrever abundância e fartura (Êx 33.3; Lv 20.24). No Novo Testamento, a palavra leite (Gala) aparece 5 vezes: (1 Co 3.2 e 9.7; Hb 4.12,13; 1 Pe 2.2).

O leite foi um alimento importante no cardápio de Israel. Bebia-se leite de vaca, ovelhas e cabras (Dt 32.14; Pv 27.27; Is 7.22). Os produtos derivados do leite eram bastante consumidos, principalmente a manteiga, o queijo e a coalhada (Gn 18.8; Is 7.22). O leite era colocado num saco de couro e este sacudido e espremido até que se formasse a manteiga (Pv 30.33). O queijo também era feito do leite (2 Sm 17.29).

Leite e mel foram usados de forma combinada, metaforicamente, para indicar a abundância da terra prometida: a terra que mana leite e mel (Dt 6.3; Js 5.6). Provavelmente, o leite era misturado ao vinho e ao mel (Gn 49.12; Ct 5.1; Is 55.1). A Palavra de Deus é comparada ao mel, alimento rico e nutritivo (SI 19.10; 119.103; Ez 2.3 e Ap 10.9).

2. A PALAVRA COMO ALIMENTO

Em nosso texto básico, Pedro chama a Bíblia de "o genuíno leite espiritual". Ele compara o crente a uma criança recém-nascida que necessita dessa Palavra para o seu crescimento. A Palavra é o leite materno do cristão recém-nascido.

A partir desta idéia de Pedro, encontramos na Bíblia vários ensinos sobre a importância da Palavra de Deus.

2.1. É pela palavra que somos gerados ou nascemos espiritualmente. Um cristão nasce espiritualmente por meio da Palavra. Pedro declara: Pois fostes regenerados não de semente corruptível, mas de incorruptível, mediante a palavra de Deus, a qual vive e é permanente (leia 1 Pe 1.23). Paulo usa a mesma idéia sobre a santificação da igreja realizada por Jesus Cristo (Ef 5.26).

A Palavra também é comparada a uma semente que produz vida (leia Mc 4.14-20; Tg 1.18; Hb 4.12).

No contexto de missões e evangelização, Paulo também declara que a fé vem ou nasce pelo ouvir a Palavra de Deus. E, assim, a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo (Rm 10.17).

2.2. É pela palavra que crescemos ou sobrevivemos espiritualmente. É por isso que Pedro diz que devemos desejá-la ardentemente. Um recém-nascido expressa esta necessidade pelo choro ardente. O alimento da Palavra é uma necessidade da alma (SI 42.1,2).

O alimento da Palavra é suficiente. Não precisa de adições, só a Palavra (SI 1). Cuidado com o leite falso, com o falso ensino.

O salmista diz: “A lei do Senhor é perfeita e restaura a alma; o testemunho do Senhor é fiel e dá sabedoria aos símplices. Os preceitos do Senhor são retos e alegram o coração; o mandamento do Senhor é puro e ilumina os olhos. O temor do Senhor é límpido e permanece para sempre; os juízos do Senhor são verdadeiros e todos igualmente, justos (SI 19.7-9). O salmista Davi declara que a Palavra de Deus produz restauração, sabedoria, alegria, visão, segurança e justiça” (SI 19.7-9).

O Salmo 119 apresenta a excelência da Palavra de Deus. E o salmista declara os efeitos ou os significados que a Bíblia tem para ele:

• Felicidade (v.1,2); • Santificação (v. 9, 11); • Consolo (v. 50); • Sabedoria (v. 98-100); • Direção (v. 105); • Paz (v. 165).

2.3. É pela palavra que somos santificados. Jesus é quem declara esta verda­de: Santifica-os na verdade; a tua pa­lavra é a verdade (Jo 17.17). A santificação do crente acontece por obra do Espírito Santo, que se utiliza da Palavra.

No Salmo 119, a Palavra é coloca­da como fonte de purificação: De que maneira o jovem poderá guardar puro o seu caminho? Observando-o segun­do a tua palavra. Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar con­tra ti (119.9,11).

2.4. É pela palavra que somos aperfeiçoados e habilitados para o serviço. Leia o trecho de 2 Tm 3.16,17: Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justi­ça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilita­do para toda boa obra. Observe três lições:

2.4.1. O que é a Palavra? Ela é inspirada por Deus (2 Pe 1.20,21).

2.4.2. Qual a sua utilidade? Ensinar, repreender, corrigir e edu­car (SI 119.98-100).

2.4.3. Qual a sua finalidade? Aperfeiçoar o seu leitor e habilitá-lo para toda boa obra (2 Tm 2.15). É por isso que precisamos ler e es­tudar a Bíblia diariamente. Ela é o ali­mento necessário para o nosso cres­cimento.

3. COMO SE ALIMENTAR DA PALAVRA?

Há muitas sugestões sobre como estudar a Bíblia. E cada pessoa deve utilizar a melhor ou a mais adequada à sua necessidade.

Quero sugerir alguns princípios que devem ser considerados no estudo in­dividual da Bíblia.

3.1. Reserve um tempo diário para a leitura da Bíblia. A leitura deve ser diária e acompa­nhada de meditação no texto (S11.2,3). Faça uma refeição diária com o ali­mento celestial.

3.2. Leia especificamente a Bí­blia. Não substitua a leitura bíblica pela leitura de comentários bíblicos, dicio­nários ou sermões (Jo 5.39).

3.3. Leia a Bíblia sempre acom­panhada com a oração. O entendimento do texto é obra de Deus (SI 119.18). Precisamos da ilu­minação do Espírito Santo para ir além da mera letra. Aproxime-se da Bíblia com humildade (1 Co 8.1-3).

3.4. Leia a Bíblia para aumentar o seu conhecimento de Deus. Conhecemos a Deus por meio da Escritura Sagrada. Lembre-se que Ele é uma pessoa. Ele se auto-revela no texto sagrado, o qual leva-nos a uma comunhão mais íntima com Ele (Is 55.6-11).

3.5. Leia a Bíblia com o objetivo de praticá-la. Não seja um mero ouvinte ou estudioso da Palavra, mas um operoso praticante (Tg 1.22-25).

CONCLUSÃO

Ao encerrar este estudo, quero enfatizar a importância da meditação na Bíblia acompanhada da oração. Esta foi a oração do salmista: Desvenda os meus olhos, para que eu contemple as maravilhas da tua lei (SI 119.18). Primeiro, ele reconhece que a Bíblia, a Palavra de Deus, está repleta de maravilhas. Segundo, que ele só pode contemplar estas maravilhas se Deus abrir os seus olhos espirituais. Terceiro, ele ora e estuda a Palavra.
|  Autor: Pastor Josias Mourae  |  Divulgação: estudosgospel.com.br |