Estudo Bíblico sobre Reavivamento que Levanta Profetas


I Reis 16:34 e 17:1

Introdução: O profeta Elias foi um homem que surgiu a partir da revelação em seu coração de que Deus estava vivo e não morto como muitos pensavam. Conforme 1 Reis 16.34, houve um homem chamado Hiel que sofreu a morte do seu filho mais velho no tempo em que estava lançando os fundamentos da cidade de Jericó, para reconstruí-la, e; por ocasião da conclusão da obra, quando colocavam as portas da cidade, morreu-lhe o filho mais novo. Tudo aconteceu de acordo com o que fora profetizado, a mais ou menos 100 anos, por Josué referente a qualquer pessoa que empreendesse o trabalho de reconstrução de Jericó (Josué 6:26). O ocorrido se deu nos dias de Elias, e com base no que ele pôde perceber de toda a situação, extraímos lições que continuam vivas até hoje.

1. NÃO PODEMOS VIVER COMO SE DEUS ESTIVESSE MORTO.

Em seus dias Hiel, o betelita, edificou a Jericó; em Abirão, seu primogênito, a fundou, e em Segube, seu filho menor, pôs as suas portas (I Re 16:34). Hiel Significa “Deus Vive”; no entanto, ao reconstruir uma cidade que Deus havia dito para não reconstruir, ele agiu como se Deus estivesse morto ou não mais se importando com o que havia dito. O preço que ele pagou por ignorar a existência divina e o poder da Sua Palavra foi a vida de seus dois filhos. Muitas pessoas ainda hoje levam o nome de Deus nos lábios, nos carros, no pescoço, ou até mesmo no próprio nome; mas vivem como se Ele não existisse. Elias não fez assim, e por isso teve a sua vida totalmente transformada.

2. A PALAVRA DE DEUS ESTÁ VIVA HOJE!

Quando o profeta Elias, diante do Rei Acabe, profetizou a seca por um período de 3 anos, ele foi muito claro ao dizer ao Rei: “Vive o Senhor Deus de Israel, perante cuja face estou, que nestes anos nem orvalho nem chuva haverá...” (I Re 17:1). O caso com os filhos de Hiel se deu nos dias de Elias. Ele observou tudo e certamente chegou à conclusão que a Palavra de Deus continuava viva e ativa em sua geração. Se a profecia de Josué se cumpriu naquele tempo, todas as demais palavras divinas se cumpririam igualmente. Aqueles eram dias difíceis na relação espiritual do povo com Deus. Tempos de idolatria, afastamento de Deus e indiferença. Como consequência desse tipo de pecado na nação de Israel atrairia as maldições pronunciadas em Deuteronômio 28:21-22 – “E os teus céus, que estão sobre a cabeça, serão de bronze; e a terra que está debaixo de ti, será de ferro. O Senhor dará por chuva sobre a tua terra, pó e poeira; dos céus descerá sobre ti, até que pereças.” Foi com base no comportamento de Israel e nas exigências divinas que Elias não hesitou em proclamar ausência de chuva sobre Israel diante do rei Acabe. Se Josué 6:26 se cumpriu na família de Hiel, Deuteronômio 28:21-22 também se cumpriria com a nação. Para nós que vivemos nos dias de hoje não é diferente. O Deus dos dias de Josué e de Elias continua vivo hoje e cumprindo a Sua Palavra da mesma forma. Cabe a nós abraçarmos suas promessas ou seus juízos mencionados nas Escrituras, aplicando profeticamente essas verdades para a demolição dos projetos malignos e estabelecimento das colunas divinas.

3. DEUS SE ALEGRA MESMO É COM A RETOMADA DAS CHUVAS.

Na mediada em que reconhecermos a soberania d Deus em nossas vidas e nos curvamos diante dEle, inevitavelmente Deus transformará maldições em bençãos e terras secas em mananciais de água (I Re 18:39 e 41). As duas experiências relatadas anteriormente referentes à casa de Hiel e à retenção das chuvas foram consequência do juízo divino profetizado em tempos remotos. Porém, havia muitas promessas positivas de bênção que poderiam se cumprir da mesma forma nos tempos de Elias. Ele sabia quais eram essas promessas e também buscava seu cumprimento. Se houver arrependimento e quebrantamento de coração, retorno ao Senhor, a chuva do reavivamento será liberada novamente, conforme Deuteronômio 11:13 e 14. Elias, grande esforço na tentativa de levar toda a nação ao arrependimento, conseguiu uma grande declaração de fé: “Só o Senhor é Deus! Só o Senhor é Deus!”. Em seguida declarou sem titubear ‘o ruído de abundante chuva’. Assim será em sua vida quando você decidir desfrutar das promessas que lhe estão disponíveis. Haverá sobre você ruído de abundante chuva de bênçãos! Reavivamento, revestimento e dons espirituais serão evidenciados em sua vida (2 Cr 7:14).

CONCLUSÃO: Jesus Cristo está vivo e suas palavras continuam tendo o mesmo poder que no passado. Não podemos viver como se Deus não existisse ou como se suas Palavras não tivessem mais valor. A promessa diz respeito a todos quanto o Senhor nosso Deus chamar (At 2:39).

| Autor: Wilson Maia | Divulgação: EstudosGospel.Com.BR |


Receba Estudos Biblicos todos os dias!
Cadastre-se seu e-mail! É Grátis
     Digite seu Email Abaixo
Emails Cadastrados

OBS: Não esqueça de confirmar seu email em seguida!