A ineficácia e a precariedade do sacrifício de animais como oferta pelo pecado na velha aliança seriam corrigidas com o sacrifício daquele que João Batista chama de Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo

“E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Ts 5.23)

Para o pleno exercício da apologética cristã, convém que saibamos manejar bem a espada do Espírito que é a palavra de Deus, viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, apta para discernir os pensamentos e intenções do coração

Qualquer grupo que queira seguir a Cristo, para ser chamado de cristão, deve seguir essas premissas na sua totalidade. Do contrário, é apenas uma caricatura do Cristianismo

Não podemos deixar que nada nos tire de nossa visão celestial, a esperança da vinda de Cristo, e nosso trabalho aqui em prol de seu reino na salvação das almas perdidas

Jesus teria cometido o deslize de causar tremenda confusão entre as gerações futuras ao dizer que três almas – Abraão, Lázaro e o rico – haviam se apartado do corpo, na morte, e estavam, conscientes, em seus devidos lugares, mesmo sabendo que a alma morre com o corpo?