Algumas igrejas oferecem um dia certo para Deus curar, outro para Deus prosperar, e ainda outro para abençoar as famílias. Tem até quem agende um dia especial para um encontro com Deus. E se a pessoa morrer antes do tal encontro? Coitada! Vai direto pro beleléu, sem direito a escala. Jesus tem Sua própria agenda a cumprir, e não está disposto a mudar Seu cronograma. Não há ameaças, ou chantagem emocional que possam dissuadi-Lo de seguir a rota programada pelo Pai.
Quando aproximaram da casa, Jairo recebeu uma notícia ainda mais triste. Pessoas da sua casa encontraram Jairo e falaram - 'Tua filha já morreu; por que ainda incomodas o Mestre?'. A implicação é óbvia - acreditavam no poder de Jesus, até certo limite. Curar doentes? Pode. Ressuscitar mortos? Ninguém pode! Nem Mesmo Jesus Consegue! Que surpresa quando, minutos depois, a menina andava no meio daquelas pessoas, viva e saudável!.
A resposta 'lutar ou fugir' é uma reação instintiva acionada quando uma pessoa enfrenta perigo. Vem uma explosão de adrenalina enquanto o coração bate mais rápido, capacitando a pessoa a ficar firme e lutar ou a virar as costas e correr. Independente da decisão instantânea, seja lutar ou fugir, o resultado desejado é a sobrevivência.
Todas as pessoas devem ser vigiáveis e influenciáveis em qualquer lugar em que estiverem. Isso dará ao Anticristo um poder imensurável. Pois aquele que tem controle total e consegue observar qualquer pessoa, também pode influenciar e determinar as ações de qualquer um. Se hoje os sistemas de controle já estão tão avançados em tantas áreas, e os desenvolvimentos são cada vez mais rápidos, quão próximo estará o cumprimento do Apocalipse e dos acontecimentos que ele descreve?
Jefté era valente, valoroso e lider. Cheio de qualidades, em um contexto de dificuldades. Muito temos a aprender com a vida desse juiz em Israel que saiu de uma vida repleta de dramas familiares para reinar sobre um povo, o mesmo povo que o havia rejeitado. Jefté não se opôs a defender os que lhe ofenderam. Ele venceu suas limitações e prosseguiu como um guerreiro valoroso. 
Quando estou ansioso, estou tentando tomar o trabalho que é de Deus. Eu penso que, ou ele não se importa o suficiente comigo, ou ele não tem o controle da situação. Nós realmente podemos dizer que algo como ansiedade é pecado? O que faz disso um pecado? Será que não é só uma fraqueza que devemos superar? Ou, talvez, não deveríamos enxergar como uma doença mental?
Deus não fez do homem uma escultura, mas um ser vivente, racional e capaz de refletir a Sua glória em todos os cantos da Terra. Quando dizemos 'glória a Deus!', nós estamos declarando que vemos e reconhecemos que Deus é Pleno, Poderoso, Perfeito, Forte e Suficiente para suprir as necessidades dos que se mantêm fiéis a Ele! 
A teologia da libertação nada mais é que um desvirtuamento da ação primordial da igreja, mesclando-a com atividades seculares de cunho político-social, sempre em prejuízo do seu papel de agência do reino de Deus. Enquanto se pensa em projetos políticos, nominados de ação de cidadania, o trabalho de pregação do Evangelho genuíno perde força, pois deixa de ser a razão única da vida da Igreja, somente aliada à adoração.
O Movimento Pentecostal não é somente uma experiência, mas o resultado de uma profunda e bem amadurecida reflexão bíblica. A seguir, destacarei uma grande contribuição doutrinária dos pentecostais que, ao contrário do que supõem alguns desafetos, sabem produzir teologia de excelente qualidade.
Se o nosso Senhor Jesus é o Médico dos médicos, devemos levar as pessoas até Ele. Esta é uma grande lição para nós; levar as pessoas com qualquer tipo de enfermidades a Cristo. Na cura da sogra de Pedro, temos que tirar mais outra valiosa lição. Neste episódio, aprendamos sobre a completa e perfeita cura que o Senhor realiza. Cristo tomou aquela mulher enferma pela mão, ergueu-a do leito e, imediatamente, 'a febre a deixou'.
Quando falamos de fé a primeira coisa que nos vem em mente é: qual o tamanho desta fé; será uma fé pequena ou será uma grande fé; entretanto o Apostolo Paulo ao se dirigir a Timóteo em sua segunda carta fez menção da fé não fingida, pois disse a Timóteo - 'trago a memória a fé não fingida que há em ti'.
Essa expressão 'Leão de Judá' não aparece dessa forma na Bíblia. O único lugar que aparece uma expressão parecida, e que com certeza deu base a essa expressão, é em Apocalipse 5.5. Assim, o termo Leão de Judá é uma referência ao Messias Jesus Cristo. Mas por que a Jesus Cristo? Porque Jesus é descendente de Judá.


Receba Estudos Biblicos todos os dias!
Cadastre-se seu e-mail! É Grátis
     Digite seu Email Abaixo
Emails Cadastrados

OBS: Não esqueça de confirmar seu email em seguida!