O ser guiado pelo Espírito e conhecer a vontade de Deus requer discernimento e um coração submisso. A Bíblia nos assegura que há uma maneira que podemos posicionar o nosso coração e saber que será dirigido pelo Senhor. Este versículo diz isso, além de muitos outros. Deixe-me compartilhar quatro perguntas que podemos fazer durante o tempo em que estamos tentando discernir a orientação do Senhor.
Vamos comparar o crente que se alimenta de ervas daninhas, e o que se alimenta de pastos verdejantes. O que come ervas daninhas, por onde passa cria problemas, dá mal testemunho, tem medo do diabo. O crente que se alimenta de pastos verdejantes é aquele que, desfaz as obras do diabo, é cheio do conhecimento da Palavra, cheio de unção, de autoridade, dá testemunho por onde passa, e é cheio dos frutos do Espírito. Portanto amados, reflita nesta hora. Do que você está se alimentando?
A adversidade atinge a todos mais cedo ou mais tarde. Muito provavelmente, você está tendo algum grau de adversidade hoje. Você pode tentar lidar com ela usando seus próprios recursos, ou você pode optar por vê-la como um caminho para uma relação mais profunda com Jesus Cristo. A adversidade pode ser um fardo esmagador ou uma ponte para um relacionamento mais profundo com Deus.
Salomão começa a concluir sua análise da vida, e como um homem da assembleia, não se esquece de fazer aplicações. Aponta a importância de se viver pela fé, de lançar o pão sobre as águas. Deus se importa com cada um de nós, Ele se interessa pelas nossas necessidades, não nos abandonou. Devemos fazer a parte que nos compete, agirmos com diligência, mas também confiar na providência do Senhor, pois como ressaltou Salomão, o cavalo se prepara para a batalha, mas a vitória vem do Senhor.
A mensagem de perdão foi uma parte fundamental do evangelho que Jesus anunciava nas suas caminhadas pelas colinas da Palestina. As palavras de Jesus na cruz, 'Pai, perdoa-lhes...' se tornaram as palavras de inúmeros outros ao longo da história que amaram Jesus mais do que a própria vida. Com o perfeito exemplo de Jesus para nos guiar, vamos aprender perdoar os outros, tanto durante a vida como na hora da morte.
A fé cristã é uma completa confiança em Cristo, pela qual se realiza a união com o Seu Espírito, havendo a vontade de viver a vida que Ele aprovaria. Não é uma aceitação cega, mas um sentimento baseado nos fatos da Sua vida, da Sua obra, do Seu Poder e da Sua Palavra. A fé difere da crença porque é uma confiança do coração e não apenas uma aquiescência intelectual.
Ao nos ensinar sobre oração, Jesus inclui a necessidade diária do perdão. É aqui que engasgamos nas palavras, pois nem sempre é fácil perdoar. Sem perdão em nosso coração a amargura cria raízes e a vida fica prejudicada, andamos devagar e tristes como se estivéssemos carregando cargas pesadas. Que não precisemos chegar ao extremo da dor para conhecer o valor do perdão.
Nesta série de artigos sobre o tema 'Ministério dinâmico', citarei 13 atitudes que o obreiro do Senhor Jesus deve ter para dinamizar o seu ministério. Neste primeiro artigo, tratarei de cinco atitudes. Antes de tudo, é importante destacar que...
A oferta de manjares ou oferta de cereais tipifica Cristo em Seu viver humano. A fina flor de farinha, o elemento principal da oferta de cereais, significa a humanidade de Cristo, que é fina, perfeita, tenra, equilibrada, e adequada de toda maneira, sem qualquer excesso ou deficiência. A oferta de manjares fala da humanidade pura e perfeita de nosso bendito Senhor, e é um tema que requer a atenção de todo o verdadeiro filho de Deus.
Gilgal foi o lugar onde Deus desfez os círculos de pedra, as cargas, vergonhas, aflições. É nesse lugar que o pai de família deve estar para dormir e acordar confiante que Deus guarda sua família. É aqui que a mãe de família deve estar para entregar as preocupações pelo futuro dos filhos. É em Gilgal que celebramos a gratidão por tudo que temos e pelo que não temos, confiantes de que estamos guardados em Deus.
Todos os cristãos, em maior ou menor grau, passam por momentos de tribulação e angústia em virtude das tentações. Ser tentado não é pecado, mas um convite a pecar. Jesus ensinou os discípulos a orarem clamando por socorro - Não nos deixes entrar (ou cair) em tentação; mas livra-nos do mal. Jesus não ensinou a seus discípulos que a tentação não viria mais a partir do momento que se convertessem, mas os instruiu a clamarem por socorro diante de Deus quando se sentissem presos nas redes das tentações.
Pois eu tinha inveja dos soberbos, ao ver a prosperidade dos ímpios. Salmo 73.3. Neste salmo, a possibilidade de prosperidade por parte dos ímpios é exposta. Fica agora evidente, que nem toda prosperidade é resultado da bênção proveniente da obediência a Deus. Por desconhecer até então esta possibilidade, o salmista Asafe ficou confuso ao ponto de quase se desviar e escorregar.


Receba Estudos Biblicos todos os dias!
Cadastre-se seu e-mail! É Grátis
     Digite seu Email Abaixo
Emails Cadastrados

OBS: Não esqueça de confirmar seu email em seguida!