Assim, como todos aqueles que amaram mais a Palavra de Deus do que a suas próprias vidas o profeta Enoque passou a ser perseguido pela população por conta da dureza da mensagem a qual proclamava, todos os seu ouvintes endureceram os seus corações e quiseram mata-lo. Após ter anunciado o juízo de Deus para aquele povo iníquo, Enoque foi levado embora por Deus, poupado do seu martírio.
E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente. É exatamente por isto que a parte que precisa ser mais forte em nós é a espiritual, pois se o nosso espirito estiver bem, tão logo está em ligação com Deus e algo que está ligado a Deus, só pode transmitir vida.
A idolatria é um dos pecados mais terríveis listados na Bíblia, porque consiste em dar glória e veneração a algo ou alguém que não seja o próprio Deus, o único que é digno de toda honra, toda glória, todo louvor e toda adoração. Entretanto, apesar de tão claro, este é um dos pecados mais praticados e mais ignorados em nossos dias no meio evangélico.
Êxodo é o segundo livro do Antigo Testamento, parte dos cinco primeiros livros denominados de Pentateuco. Em hebraico, esses livros são conhecidos como Torah. É esse livro, cujo significado é 'partida', em alusão à saída do povo de hebreu do Egito, que estudaremos nas próximas lições. O estudo do livro do Êxodo nos revelará, o valor da liberdade, principalmente em seu aspecto redentor.
A fofoca é um problema sério. É um problema em casa, no trabalho, na igreja local e no evangelicalismo em geral. É um problema na blogosfera, nas mídias sociais e em muitos outros lugares. Existe o fofoqueiro espião, resmungão, falso, camaleão e o intrometido. Você conhece alguém que tenha o perfil de um destes cinco diferentes fofoqueiros?
Qual é a sua relação com o cristianismo? Você o estuda, pratica ou vive? Talvez faça as três coisas ou duas delas ou apenas uma. Refiro-me às dimensões do conhecimento, da religiosidade e da espiritualidade. Vejamos neste estudo o cristianismo em três níveis...
O ser guiado pelo Espírito e conhecer a vontade de Deus requer discernimento e um coração submisso. A Bíblia nos assegura que há uma maneira que podemos posicionar o nosso coração e saber que será dirigido pelo Senhor. Este versículo diz isso, além de muitos outros. Deixe-me compartilhar quatro perguntas que podemos fazer durante o tempo em que estamos tentando discernir a orientação do Senhor.
Vamos comparar o crente que se alimenta de ervas daninhas, e o que se alimenta de pastos verdejantes. O que come ervas daninhas, por onde passa cria problemas, dá mal testemunho, tem medo do diabo. O crente que se alimenta de pastos verdejantes é aquele que, desfaz as obras do diabo, é cheio do conhecimento da Palavra, cheio de unção, de autoridade, dá testemunho por onde passa, e é cheio dos frutos do Espírito. Portanto amados, reflita nesta hora. Do que você está se alimentando?
A adversidade atinge a todos mais cedo ou mais tarde. Muito provavelmente, você está tendo algum grau de adversidade hoje. Você pode tentar lidar com ela usando seus próprios recursos, ou você pode optar por vê-la como um caminho para uma relação mais profunda com Jesus Cristo. A adversidade pode ser um fardo esmagador ou uma ponte para um relacionamento mais profundo com Deus.
Salomão começa a concluir sua análise da vida, e como um homem da assembleia, não se esquece de fazer aplicações. Aponta a importância de se viver pela fé, de lançar o pão sobre as águas. Deus se importa com cada um de nós, Ele se interessa pelas nossas necessidades, não nos abandonou. Devemos fazer a parte que nos compete, agirmos com diligência, mas também confiar na providência do Senhor, pois como ressaltou Salomão, o cavalo se prepara para a batalha, mas a vitória vem do Senhor.
A mensagem de perdão foi uma parte fundamental do evangelho que Jesus anunciava nas suas caminhadas pelas colinas da Palestina. As palavras de Jesus na cruz, 'Pai, perdoa-lhes...' se tornaram as palavras de inúmeros outros ao longo da história que amaram Jesus mais do que a própria vida. Com o perfeito exemplo de Jesus para nos guiar, vamos aprender perdoar os outros, tanto durante a vida como na hora da morte.
A fé cristã é uma completa confiança em Cristo, pela qual se realiza a união com o Seu Espírito, havendo a vontade de viver a vida que Ele aprovaria. Não é uma aceitação cega, mas um sentimento baseado nos fatos da Sua vida, da Sua obra, do Seu Poder e da Sua Palavra. A fé difere da crença porque é uma confiança do coração e não apenas uma aquiescência intelectual.