Os 6 Tipos de Cativeiro


'1 Quando o SENHOR trouxe do cativeiro os que voltaram a Sião, estavam como os que sonham. 2 Então a nossa boca se encheu de riso e a nossa língua de cântico; então se dizia entre os gentios: Grandes coisas fizeram o SENHOR a estes. 3 Grandes coisas fizeram o SENHOR por nós, pelas quais estamos alegres. 4 Tragam-nos outra vez, ó SENHOR, do cativeiro, como as correntes das águas no sul. 5 Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria. 6 Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos (Sl 126:1-6)

O Salmo 126 aponta para o encerramento do cativeiro do povo Judeu no ano 538 aC. Trata-se da marcha da vitória em direção a Jerusalém, depois de 70 anos em cativeiro babilônico. Deus, somente Deus é o autor da grande proeza.

O povo judeu, aos brados de júbilos, junto a Zorobabel, exprimia: “Grandes coisas fez o Senhor por nós, por isto estamos alegres”. Setenta anos de cativeiro estavam encerrados. Belsazar, o indomável monarca babilônico, estava morto.

Os ferrolhos de Babilônia para deter cativo estavam literalmente quebrados para sempre. Aleluia! As divindades sagradas de Babilônia, tais como Bel, Nebo, Nego.

Foram derrotados pelo Todo-Poderoso Senhor dos Exércitos de Israel.

“Estávamos como os que sonham”. “A nossa boca se encheu de riso e a nossa língua de cântico”. “Grandes coisas fez o senhor por nós, e por isto estamos alegres” As correntes de águas do sul de Israel

O sul de Israel sempre foi marcado pela presença de desertos secos. Lá estavam os desertos de Judá Destacando os desertos de Berseba e o Neguev Dentre essas dificuldades, também estavam os riachos sempre secos aos olhos dos colonos do sul.

Como precisavam das chuvas. Mas, não havendo chuvas, dependiam dos rios que, infelizmente, face à seca, nada podiam oferecer.

Entretanto, em ocasiões chuvosas, era possível ver os colonos judeus, os proprietários de vinhas, oliveiras, trigais, figueiras.

Aos brados de alegria e júbilo. Pois, AS CHUVAS além de dar vida aos desertos, uma vez que era possível encontrar por longo tempo GRANDES AÇUDES, ÁGUAS EM ABUNDÂNCIA REPRESADAS por outro lado, os rios tornavam-se transbordantes face à presença das chuvas no sul de Israel.

“Traze-nos outra vez, ó SENHOR, do cativeiro, como as correntes das águas no sul”. LIBERTAÇÃO deve ser vista com júbilos e alegria. A LIBERTAÇÃO deve ser recebida como CHUVAS TORRENCIAIS em terra seca e sem vida.

Deve ser louvada como CHUVAS EM ABUNDÂNCIA em rios secos, vazios, sem correntes de águas.

OREMOS COMO O POVO DE JUDÁ: “Traze-nos outra vez, ó Senhor, do cativeiro, como as correntes das águas no sul” Semeando em lágrimas em cativeiro babilônico em domínios de babilônia território de Bel, Nebo, Nego, fornalha de fogo, Belsazar

É até fácil semearmos em tempos propícios para semeaduras. Quando os tempos são bons para a lavoura nada dificulta a semeadura tudo favorece: o clima, a atmosfera, a terra, água em abundância DIFÍCIL é semear em território debaixo de maldições de cativeiros

DESTAQUEMOS 6 TIPOS DE CATIVEIRO

1. O Cativeiro Satânico – identificado em alguns tipos de doenças e na prática do pecado. Nesse tipo de cativeiro o homem ama e pratica o pecado. Maldito cativeiro

2. O Cativeiro Religioso – trata-se de um processo usado pela religião para prender suas vítimas em heresias, enganos, idolatrias, feitiçarias, etc. etc. Maldito cativeiro

3. O Cativeiro do Homem – identificado em diversos tipos de prisões. Existem as prisões judiciais, jurídicas, emocionais, carnais, sentimentais ou amorosas, etc. etc. Maldito cativeiro

4. O Cativeiro Eterno – identificado no Lago de Fogo e Enxofre preparado para o Diabo e seus anjos. Maldito cativeiro

5. O Cativeiro de Cristo – identificado no Evangelho de Jesus. Palavras do Apóstolo Paulo em Ef 3:1 "eu, Paulo, sou o prisioneiro de Jesus Cristo”.Cl 4:18 “.lembrai-vos das minhas prisões”.Fm 1:1 “Paulo, prisioneiro de Jesus Cristo”. BENDITO CATIVEIRO. Pois, o próprio Jesus Cristo é o Senhor desse cativeiro que só deixará de existir no arrebatamento da Igreja

6. O cativeiro Divino – trata-se do processo divino para disciplinar filhos Seus – 2 Sm 24:9-25. Conferir o Sl 126 com Jeremias 25:12. BENDITO CATIVEIRO. Pois, o próprio Deus é o Senhor desse cativeiro

NO CATIVEIRO DE BABILÔNIA os judeus não possuíam templo e nem sacerdotes. Não possuíam altares especiais para o exercício de queima de sacrifícios. Não tinham montes sagrados tais como Moriá, Carmelo. Não podiam ver a cidade santa, Jerusalém.

ENTÃO, em meio às grandes carências intercediam em busca de um milagre que os conduzisse de volta a Jerusalém... “Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria”. SEGAR é colher É TEMPO DE SEGAR frutos cujas sementes foram semeadas em dias de lágrimas. Em dias difíceis

A SEMENTE CONDUZIDA DEBAIXO DE LÁGRIMAS

“Aquele” que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos

“AQUELE” – Esse “Aquele” identifica o próprio Deus. Sim, o próprio Deus, mesmo a contragosto, conduziu os antepassados do povo do Sl 126 ao Cativeiro Babilônico.

Em que cativeiro encontramo-nos?

O Cativeiro de Cristo precisa ser uma prisão eterna a todos os servos de Deus em todos os lugares.

Qualquer outro cativeiro, por outro lado, certamente nos fará sofrer de forma amarga, mesmo que seja o Cativeiro Divino. ENTRETANTO, é no Cativeiro Divino que seremos os servos que realmente Deus almeja muito mais: APRENDEREMOS A NOS COMPORTAR COMO O POVO QUE DEVERÁ SER ARREBATADO. O Lugar do servo de Deus é no Cativeiro de Cristo.

Todavia, se houver necessidade, Deus nos conduzirá ao Cativeiro Divino. AMÉM!

|  Autor: Jânio Santos de Oliveira  |  Divulgação: estudosgospel.com.br |