O Povo do Grão de Mostarda

Mateus 13:30


Introdução:

Em nossos dias há uma ideia sendo divulgada de que há pouca ligação entre Jesus Cristo e a igreja. Essa crença tenta formar uma cultura de que Jesus veio para dar instruções morais aos indivíduos e assim estimulálos a fazer o bem. Esse conceito herético nos leva a fazer uma pergunta: Qual a mensagem de Jesus Cristo com respeito a igreja? Podemos responder a essa pergunta reportando-nos a ocasião quando o apóstolo Pedro confessa que Jesus é o Cristo prometido, então o Senhor Jesus responde: Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre essa pedra edificarei a minha igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Temos certeza que o Senhor Jesus Cristo teve uma vida comunitária desde sua infância, que ele aprendeu na escola bíblica tuto o que precisava saber sobre Abraão e os profetas, contudo sem deixar de lado a vida comunitária.

I – A IGREJA E O ESTABELECIMENTO DO REINO

Fundando a igreja podemos imaginar que especie de comunidade Jesus queria implantar? Que leis regeriam o seu crescimento? Que tipos de pessoas deveriam fazer parte do Reino?

Vemos a igreja é mencionada apenas uma vez nos evangelhos, mas descobrimos em outros pontos o papel por ela desempenhado nos ensinamentos do Senhor Jesus. O aspecto central desse ensinamento foi o estabelecimento do Reino (Marcos 1:15 e Êxodo 15:18). A palavra reino nos sugere para a maioria de nós a ideia de um território especifico ou um estado politico, já o termo hebreu para reino significa “o reino de Deus”, ou o domínio de Deus, ou o governo exercido por Deus na vida humana. Dessa forma o reino não é algo que possa ser construído pelo homem, trata-se do domínio de Deus sobre nós (Lucas 11:20).

Quando consideramos como o Reino era importante para Jesus compreendemos a significação da comunidade de fé nos ensinamentos dele. O Reino não acontece num vácuo; se existe Reino é preciso haver súditos nele.

II – O POVO DO GRÃO DE MOSTARDA

Os ensinamentos de Jesus como as parábolas foram extraídas da vida diária do povo, essas parábolas nos fazem entender os problemas enfrentados por Jesus e por sus discípulos. Esses não eram pessoas notáveis pela aparência, por isso um dos grandes problemas vividos por eles era a dúvida, pois não havia nenhum nobre entre eles, nenhum aristocrata, muito menos lideres religiosos, muitos receberam a declaração de Jesus acerca do reino com indiferença e até com rejeição (Mc 6:6; Jo 6:66). Se há duvidas de que esse grupo pouco apresentável de discípulos seria realmente o reino precisamos responder com a afirmação de Jesus comparando o Reino de Deus a um grão de mostarda. Todos os ouvintes de Jesus conheciam a incrível transformação sofrida pela microscópica semente de mostarda que crescia o bastante para abrigar ninhos de pássaros entre os seus galhos (Marcos 4:30-32).

Os discípulos do Senhor Jesus não deixou um rastro de vitória nos primeiros anos de sua missão, aquela comunidade não foi um modelo de poder e glória, mas se transformaria em uma grande comunidade, com a mesma certeza que a pequenina semente de mostarda se transforma em uma enorme árvore.

III – UM REINO DESTINADO A CRESCER

O Reino deveria ser uma comunidade que jamais aceitasse o fracasso. A parábola do semeador (Mc 4:3-8) reflete as frustrações daquele que semeou a Palavra, ele a semeou no caminho batido, no solo rochoso, em meio aos espinhos, a mensagem do Reino de Deus fora entretanto , sufocada. Nosso mestre concordou com os discípulos de que nem toda tentativa de semear a palavra teria bom exito, contudo essa parábola não terminou com a admissão do fracasso, pois ele não deixou de falar do quarto tipo de solo que produziu a trinta, a sessenta e a cem por um (Marcos 4:8), dessa forma podemos falhar uma, duas e até três vezes, mas na quarta vez dará certo, essa colheita farta faz com que nosso trabalho valha a pena.

Não precisamos nos preocupar, pois o reino de Deus não está abandonado aos seus próprios recursos, não dependendo da qualidade de seus membros, nem de seus lideres, mas sim do do poder do Senhor expresso através de seu povo, esse sim é a origem do crescimento do Reino.

Conclusão:

Precisamos crer em Jesus e aceitar o fato de que ele cuida do Reino, não devemos nos preocupar do fato de pessoas de todas as classes sociais e de todos os tipos estarem tendo acesso a comunidade, pois Jesus chamou até mesmo um colaborador do governo Romano e cobrador de impostos, e até um Zelote (revolucionário insubordinado) foi chamado. Os discípulos de Jesus formavam uma comunidade amplamente diversa, por isso não precisamos nos preocupar, mas somente evangelizar, e isso Jesus explicou na parábola do joio em (Mateus 13:24- 30). Não impeçamos o crescimento do Reino, deixemos o joio e o trigo crescerem juntos, pois o Ceifeiro os separará.

- Que Deus nos dê a compreensão de sua palavra”.

| Autor: Pr. Natanael Ribeiro | Divulgação: estudosgospel.Com.BR |


Receba Estudos Biblicos todos os dias!
Cadastre-se seu e-mail! É Grátis
     Digite seu Email Abaixo
Emails Cadastrados

OBS: Não esqueça de confirmar seu email em seguida!