O Filho Pródigo do Antigo e do Novo Testamento


Um homem tinha dois filhos.
O mais jovem disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’. E o pai dividiu os bens entre eles. Poucos dias depois, ajuntando todos os seus haveres, o filho mais jovem partiu para uma região longínqua e ali dissipou sua herança numa vida devassa. E gastou tudo. Sobreveio àquela região uma grande fome e ele começou a passar privações.

Foi, então, empregar-se com um dos homens daquela região, que o mandou para seus campos cuidar dos porcos. Ele queria matar a fome com as bolotas que os porcos comiam, mas ninguém lhas dava.

E caindo em si, disse: ‘Quantos empregados de meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome! Vou-me embora, procurar o meu pai e dizer-lhe: Pai, pequei contra o Céu e contra ti; já não sou digno de ser chamado teu filho. Trata-me como um dos teus empregados’.

Partiu, então, e foi ao encontro de seu pai. Ele estava ainda ao longe, quando seu pai viu-o, encheu-se de compaixão, correu e lançou-se-lhe ao pescoço, cobrindo-o de beijos. O filho, então, disse-lhe: ‘Pai, pequei contra o Céu e contra ti; já não sou digno de ser chamado teu filho’.

Mas o pai disse aos seus servos: ‘Ide depressa, trazei a melhor túnica e revesti-o com ela, ponde-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés. Trazei o novilho cevado e matai-o; comamos e festejemos, pois este meu filho estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi reencontrado!’ E começaram a festejar.

Seu filho mais velho estava no campo. Quando voltava, já perto de casa ouviu músicas e danças. Chamando um servo, perguntou-lhe o que estava acontecendo. Este lhe disse: ‘É teu irmão que voltou e teu pai matou o novilho cevado, porque o recuperou com saúde’. Então ele ficou com muita raiva e não queria entrar. Seu pai saiu para suplicar-lhe.

Ele, porém, respondeu a seu pai: ‘Há tantos anos que te sirvo, e jamais transgredi um só dos teus mandamentos, e nunca me deste um cabrito para festejar com meus amigos. Contudo, veio esse teu filho que devorou teus bens com prostitutas, e para ele matas o novilho cevado!’

Mas o pai lhe disse: ‘Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. Mas era preciso que festejássemos e nos alegrássemos, pois esse teu irmão estava morto e tornou a viver; ele estava perdido e foi reencontrado!’» L(c 15, 11-32)

A parábola do filho pródigo, registrada em Lucas, capítulo 15 nos afirma a seguinte verdade: Mesmo possuindo riquezas e conforto, o filho mais jovem pediu ao pai sua parte da herança e saiu em busca de prazeres numa terra distante.

Tendo gastado toda a sua fortuna foi abandonado pelos próprios amigos na mais completa miséria. E enquanto cuidava de porcos se alimentava da comida deles e lembrava-se de quantos empregados na casa do pai estavam em melhores condições. Então decidiu o que haveria de dizer ao pai e tendo se levando partiu em direção à casa paterna.

No verso 20 está a atitude do pai para com o filho pródigo. “E quando ainda estava longe, seu pai o viu, e movido de íntima compaixão, correndo lançou-lhe ao pescoço e o beijou.” É assim que Deus promete tratar a todos nós que nos extraviamos nos caminhos do pecado.

Em Jeremias 31:3 temos outra declaração maravilhosa: “Com amor eterno te amei, com bondade te atrai.” Amigo ouvinte, cada desejo de voltar para Deus não é senão a atuação do Espírito Santo, atraindo o perdido para o amante coração paterno.

O filho pródigo caiu aos pés do pai e reconheceu ser indigno de ser tratado como filho. Pede para ser recebido como empregado. Mas o pai não só perdoa, purifica e também ordena que a condição do filho seja transformada. Vestes, anel e uma grande festa marcam o retorno ao lar.

E é assim que Deus quer fazer conosco. Ao aceitarmos Seu convite e nos aproximarmos dEle como somos e estamos, o infinito amor do Pai nos oferece o perdão, purifica e nos transforma.

Além de ser nosso advogado (I Jo 2:1) Jesus também promete jamais se lembrar de nossos pecados (Salmo 103:12). Não se esqueça disso. Deus quer jogar todo o teu pecado nas profundezas do mar (Mq 7:19) e oferecer uma vida renovada pelo Seu amor e pelo Seu poder. É só querer. É só aceitar agora.

Filho Pródigo do Antigo Testamento

A história do Filho Pródigo tem existido por milhares de anos. Em 2 Re 18:5, aprendemos que Ezequias confiava no Senhor mais do que qualquer outro rei de Judá. Como tal, é lógico supor que seu filho, Manassés, foi criado para amar e confiar no Senhor.

No entanto, quando Manassés tornou-se rei com a idade de 12, ele imediatamente voltou-se contra Deus e "Ele fez o que o Senhor reprova, imitando as práticas detestáveis das nações que o Senhor havia expulsado de diante dos israelitas" (2 Cr 33:2).

Manassés era realmente perverso, cometendo todos os tipos de feitiçaria, idolatria e imoralidade, incluindo o sacrifício de seus próprios filhos aos deuses pagãos. Mais tarde, depois de Manassés e o povo de Judá terem sidos levados presos para a Babilônia, ele finalmente se voltou para o único Deus verdadeiro sobre o qual seu pai havia lhe ensinado. Deus escutou o clamor de Manassés e o trouxe de volta a Jerusalém. Após anos de rebeldia, Deus ainda foi amoroso e misericordioso com Manassés quando ele finalmente reconheceu que só Deus era o Senhor.

A Parábola do Filho Pródigo no Evangelho de Lucas é conhecida pela maioria de nós. É a história de um filho rebelde que rejeita a criação de seu pai. Orgulhoso e forte, o filho parte para uma terra distante, leva uma vida selvagem e desperdiça tudo de valor (literal e simbolicamente).

Ele não volta para casa até ser confrontado com o fracasso e desespero, arrependido e disposto a fazer qualquer coisa para reconquistar o favor de seu pai. Para a sua surpresa e a surpresa de outros, ele é bem recebido, sem perguntas, pelos braços amorosos e perdoadores de seu pai.

Nenhuma quantidade de tempo, nenhuma quantidade de dinheiro e nenhuma quantidade de rebelião poderiam atrapalhar a paciência do pai e o amor incondicional por seu filho. "Tragam o novilho gordo e matem-no. Vamos fazer uma festa e comemorar" (Lc 15:24).

É claro, a mensagem desta parábola incrível é que Deus é paciente e misericordioso com todos os Seus filhos. Ele está disposto a acolher cada um de nós em Seus braços de amor e de perdão.

O filho mais velho

1) O irmão mais velho estava distante e não sabia o que acontecia na sua própria casa. ("E o seu filho mais velho estava no campo; e quando veio, e chegou perto de casa, ouviu a música e as danças. E, chamando um dos servos, perguntou-lhe que era aquilo."( Lc 15:25 e 26).

Quantas vezes nos afastamos da presença de Deus: não oramos mais com afinco e com fervor, não lemos nem meditamos mais na Palavra, nos afastamos da convivência diária com o Senhor e acabamos perdendo a direção que nos ajuda, nos edifica e nos abençoa. Ficamos sem saber o que ocorre dentro da nossa própria casa...

Começamos até a chegar mais perto, ver os rumores contrários que se levantam ao redor, mas não compreendemos bem como, quando e muito menos o porquê daquele mal ter se instalado na nossa vida ou na vida de pessoas que estão diariamente ao nosso redor.

Quando não vigiamos somos pegos de surpresa por algo que já estava ali há muito tempo. Ficamos boquiabertos com o que ocorreu, não sabemos como se instalou e muito menos como fazer para erradicar o mal que entrou em nossa vida. "Jesus, porém, respondendo, disse-lhes: Errais, não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus. o poder de Deus" (Mt 22:29).

Para cada problema existe uma direção segura e completa nas Escrituras que nos garante a vitória. Precisamos nos aplicar a conhecer o que a Bíblia diz sobre o problema e também receber a direção de Deus para colocar o Seu poder em ação, acabando com o sofrimento que nos assola.

2) O irmão mais velho não queria saber, ao contrário, ficou muito indignado. "Mas ele se indignou, e não queria entrar."( Lc 15:28)

Quantas vezes não demos as costas ao problema, nos irritamos, nos desanimamos, ficamos alheios à questão na esperança de que ela volte de onde veio como que num passe de mágica...

Muitas pessoas já nem lutam mais, achando o problema normal, alguns até dizem "minha dor", "meu diabetes", "minhas dívidas", ou seja, esfriaram na fé e perderam totalmente as esperanças de viver livres do que as atormenta. Elas já nem querem mais saber.

É uma pena porque Deus nos reserva o melhor desde que assumamos a nossa posição em Cristo, ou seja, querendo receber o bem de Deus e obedecendo à sua direção para que Seu poder opere e nos traga vitória e confiança multiplicadas."Se quiserdes, e me ouvirdes, comereis o bem desta terra"( Is 1:19)

3) O irmão mais velho questionou a atitude do seu próprio pai ("E saindo o pai, instava com ele.")

O desconforto do irmão mais velho para com a situação era tal que ele simplesmente disparou seus motivos impensados contra o próprio pai.

Quantas vezes nós também, numa atitude frustrada e impensada ficamos "de mal" de Deus, colocando todos os nossos motivos egoístas e pequenos, como se Ele fosse o causador do nosso entrave. Simplesmente não estamos entendendo nada e queremos achar um culpado para o que está ocorrendo e que este não seja a gente mesmo! Quando nos iramos, nos irritamos, perdemos o senso e o controle ficamos há quilômetros de Deus e, conseqüentemente, fora da solução dos problemas que nos afligem.

"Sabei isto, meus amados irmãos: Todo homem seja pronto para ouvir, tardio para falar e tardio para se irar. Porque a ira do homem não opera a justiça de Deus." (Tg 1:19 e 20).

Outro aspecto importante revelado pelo irmão mais velho nesta parte é toda a sua inveja da atitude do pai frente ao seu filho pródigo.

Antiguidade no Evangelho não é sinônimo de preferência de Deus para nos dar as bênçãos que precisamos: Quantas pessoas não estão há anos freqüentando a igreja e simplesmente não crescem. Aí chega um novo convertido e este começa a ser ricamente abençoado.

A diferença certamente está nas atitudes para como o Senhor: o novato erra, mas logo pede perdão a Deus e àqueles a quem ele ofendeu; ele não guarda qualquer rancor no coração, esquecendo rapidamente uma ofensa que lhe fizeram; ele rasga o coração diante de Deus, se arrepende dos seus caminhos errados e não tarda em mudar suas atitudes;

ele não se reveste de preconceitos e aprendeu que amar a Deus é obedecer à Sua Palavra que ele acabou de aprender: Deus se agrada dos sinceros e não dos perfeitos.

Exortação

O pai termina a exortação ao filho dizendo: "Teu irmão estava perdido e foi achado, estava morto e viveu!". De novo o pai afirma "teu irmão", não negando a oportunidade de desenvolvimento àquele que ficou. Estava morto e viveu — descobriu a vida eterna (Imanente), à qual tantas e tantas vezes Jesus se refere em seus sermões.

Somos filhos pródigos

Podemos entender como somos filhos pródigos em variados estágios da caminhada, uns mais adiante, outros mais próximos, mesmo os que inocentemente não saíram da casa do Pai, todos irmanados.

A Bíblia nos diz: “ensina o teu filho no caminho que deve andar, e quando for velho não se desviará dele.” (Pv 22:6). Pode até errar o caminho, mas jamais se esquecerá. Somos responsáveis por esta geração sem limite e desordenada que está circulando pelo mundo. Nós os fizemos assim.

Precisamos mudar nosso conceito rápido antes que não tenha mais tempo. Outro conselho “O que semear a perversidade segará males; e com a vara da sua própria indignação será extinto. (22.16)

Filhos obedeçam a vossos pais para que seus dias na terra sejam prolongados, ou seja, para que você não morra cedo no crime, nas drogas e em más companhias. Pais usem a vara, pois o coração da criança e cheio de estultícia.

Precisamos rever nossas famílias, nossos conceitos de liberdade e voltarmos para casa como o filho pródigo que a Bíblia cita. Deixou a casa do pai, foi curtir a vida com amigos de farra, gastou tudo e descobriu que somente com a família ele conseguiria a verdadeira razão da vida e o sentido de viver. (Lc 15:11-31)

Cristo Jesus está de braços abertos nos esperando retornar a razão da vida, uma vida de qualidade, com alegria. Termos o prazer de sermos mães e pais e não ficarmos desesperados a cada morte do bairro ou da cidade.

Precisamos de paz e ela começa é na nossa casa e se estende ao mundo. O governo nunca nos dará paz e alegria, mas Cristo sim. Somente Ele é a resposta.

Se você se encontra sem paz amor e alegria no teu coração, a exemplo do filho pródigo volte para a casa do pai e Ele te receberá de braços abertos para a glória de Deus. Amém!

Autor: Jânio Santos de Oliveira