O Arbusto no Deserto


Os capítulos 16 e 17 de Jeremias apresentam uma série de contrastes entre a fé e a descrença. O profeta salienta a futilidade da idolatria e da autoconfiança, mostrando que o único caminho de esperança e bênçãos duradouras é a fé no único Deus. Nesse contexto, Jeremias diz: "Assim diz o Senhor: Maldito o homem que confia no homem, faz da carne mortal o seu braço e aparta o seu coração do Senhor! Porque será como o arbusto solitário no deserto e não verá quando vier o bem; antes, morará nos lugares secos do deserto, na terra salgada e inabitável. Bendito o homem que confia no Senhor e cuja esperança é o Senhor. Porque ele é como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e, no ano de sequidão, não se perturba, nem deixa de dar fruto" (Jeremias 17:5-8).

O objeto de confiança: o homem X o Senhor. O homem que confia no homem é maldito. Ele se acha inteligente e capaz de salvar-se, sem depender de um ser superior. Ele pode confiar na força física de poderosos exércitos, na inteligência e tecnologia de grandes cientistas, ou nas filosofias e religiões inventadas pelos próprios homens. O homem que confia no Senhor é bendito. Ele não se acha capaz de entender, explicar ou controlar tudo. Ele reconhece sua pequenez e dependência do seu Criador.

O resultado da escolha: arbusto solitário no deserto X árvore plantada junto às águas. Aquele que se afasta de Deus, confiando no homem, acaba como um arbusto no deserto. É solitário, pois se desligou do seu próprio Criador. Não tem proteção nem alimentação da fonte de vida. Mas a pessoa que confia em Deus tem toda a segurança de uma árvore com raízes profundas na beira de um rio. Nunca faltará o alimento espiritual que a sustém. Enfrenta dificuldades sem ser abalada, porque o seu Criador cuida dela.

Que sejamos árvores abençoadas pelo Deus Todo-Poderoso!

Autor: Dennis Allan