Como Guardarei o Meu Filho?

 
“É a túnica de meu filho; uma fera o comeu; certamente José foi despedaçado”  Gênesis 37.33
 

Introdução:

Estava eu a louvar ao Senhor Deus Jesus, em um encontro cristão me sentindo seguro e tranqüilo com meus pensamentos em Deus e às vezes com meu olhar a observar a alegria dos irmãos e irmãs que lá estavam neste encontro, quando me atentei para as palavras da serva de Deus que disse ao povo: tragam seus filhos e filhas de menor idade, que temos irmãs preparadas para dar a eles aulas cristãs e brincadeiras de modo que os irmãos poderão cultuar tranquilamente, e antes do final do culto estas mesmas irmãs trarão seus filhos aos seus respectivos pais. Que benção! Porém, como num instante, me veio pensamentos de profunda dor e de perda, pois, parecia que eu havia dado a minha filha menor na mão destas irmãs, e algo inexplicável havia ocorrido e minha filha, havia sumido delas e ninguém a encontrava. Acalmem-se todos! Foi apenas um pensamento, isto não ocorreu de fato, todavia, a dor que senti foi profunda e real e neste estado de dor eu refleti: Se isto houvesse ocorrido de verdade; o que eu poderia fazer a respeito? Pois, me senti impotente diante daqueles sentimentos. Esperem! Eu não estava em um dos lugares mais seguros do mundo, num templo, numa casa de oração, lugar que Deus escolheu para se manifestar entre o seu povo; como então num momento, eu senti medo, dor e a sensação de impotência?  Meus queridos, diante desta experiência que me invadiu, eu chamo a sua atenção para um tema de grande relevância, para nossas vidas, pois se trata da segurança de nossas famílias os quais são: esposa, filhos e filhas, que para nós são presentes de Deus e jóias raras, o qual temos a obrigação e o dever de amar e proteger, mas, dentro desta tão sublime tarefa que nos foi dada por Deus, venho a perguntar: Será que seremos capazes de guardá-los de todos os perigos, que por sua vez são inumeráveis? E ao passo que olhamos no texto Sagrado, veremos que Jacó, não esperava em seus pensamentos que perderia seu filho já em tenra idade e de um modo tão cruel. Foi cruel, pois, em seus pensamentos e nos relatos de seus filhos, um possível animal o teria despedaçado e feito de José seu alimento. Perceba, que ainda que o amor de Jacó por seu filho caçula era grande e excedia o amor de seus outros filhos, isto não foi suficiente para protegê-lo do mal. Meus irmãos! Esta verdade, esta diante de nossos olhos, porem, inúmeras pessoas não tem dado a ela a devida importância, pois, se o meu amor é capaz de livrar a todos os que amo; por que será que eles morrem? E se o meu amor nem sempre é o suficiente para livrar alguém do perigo, como então protegerei minha família? Jacó talvez olhasse para José e achava que ele estava protegido, mas, o texto Sagrado revelou o contrario, e ainda que o texto Sagrado nos mostre que José não estava morto, mas vendido como escravo, todavia, para Jacó ele estava morto, pois, foi esta a versão que recebeu dos seus filhos e a prova forjada foi uma túnica manchada com sangue; talvez, para seus irmãos brilhavam uma leve sensação de tranqüilidade em suas más consciência por não terem matado seu irmão José, todavia, para seu pai Jacó eles o mataram e tiraram a alegria de um velho, a dor da morte para seus irmãos era mera falsidade, mas, para Jacó era real. Sim, meus queridos são nestes contextos Sagrados, que chamo a sua atenção acerca da segurança que temos oferecido a nossa família, e com certeza venho questioná-las, tais como: Será que a segurança que eu tenho oferecido para minha família é o suficiente? Poderei eu guardar minha família a todo o tempo? Quem são os meus inimigos? Saiba que todas estas respostas se encontrarão pela palavra de Deus Bíblia Sagrada, e entenderemos qual é a real segurança, e a quem pertence as nossas vidas e a vidas de todos aqueles a quem nós amamos.

ESBOÇO:

• O meu amor será o suficiente?
• Quem são os meus inimigos?
• Como então guardarei minha família?
• A salvação de Deus em José
• O pago de José em Deus
• Segurança VS Referencia
• Conclusão
 

• O MEU AMOR SERÁ O SUFICIENTE?

Se eu disser que meu amor por minha família é o suficiente para guardá-los de todos os males que os cercam, eu me faço mentiroso, arrogante e hipócrita, pois, quem sou eu para conhecer as mentes e os corações dos homens, que tão de perto nos rodeiam, e quem sou eu capaz de estar em todos os lugares ao mesmo tempo, ou capaz de prever cada passo de pessoas mal intencionadas contra mim ou minha família, sim, eu concordo que mesmo longe de minha família, meus pensamentos, intenções e sentimentos estão pertos, mas, será isto o suficiente? Segundo o texto Sagrado, Jacó amava seu filho caçula José, e isto; de ninguém era oculto, pois, suas atitudes o denunciavam ao cercava-lo de carinhos e honras e vesti-lo com uma túnica colorida, que confirmava seu amor e proteção ao rapaz (Gn cap 37 v 3-4), todavia, isto, não foi o suficiente para livrá-lo da mão de seus irmãos, pois diz o texto Sagrado que seus irmãos intentaram matá-lo “Vinde, pois, agora, e matemo-lo, e lancemo-lo numa destas covas, e diremos: Uma fera o comeu; e veremos que será dos seus sonhos” (Genesis cap 37 v 20), por sua vez não o fizeram, mas, o venderam como escravo para os mercadores que estavam de viagem para o Egito e mentiram para seu pai Jacó, ao dizer que José havia morrido, possivelmente por um animal feroz (Genesis cap 37 v 24-28; 31-34), perceba que o nosso amor por maior que ele seja, não será capaz de livrar uma alma da morte ou do perigo. E agora! Ficaremos a mercê dos perigos? Quem nos livrará? Ei esperem ai, Jacó não era crente como seu pai Isaque e seu avô Abraão? Por que então Deus não livrou Jacó deste grande sofrimento? Mas antes de respondermos estas questões, analisemos o tópico a seguir.
 

• QUEM SÃO OS MEUS INIMIGOS?

A grande questão aqui está em saber quem são meus inimigos e onde é o lugar que eles se encontram, e o que eles estão tramando contra a mim e contra a vida dos meus; mas isto; com certeza não será fácil de identificar ou descobrir, pois, alguns inimigos estão e são tão próximo de nós que muitos deles vem a ser: nossos filhos, esposa e irmãos. Como então eu abrirei meus olhos e admitirei que meus inimigos, também são os da minha própria família? Para tanto, é só olharmos para as Sagradas Escrituras, e logo veremos que o perigo que Jose enfrentava, dificilmente seria visto, pois, se tratava da sua família (irmãos). Como então José suspeitaria, sendo ele adolescente da idade de dezessete anos; que seus irmãos mais velhos queriam matá-lo por inveja dele? E ao tratarmos de assunto que diz respeito ao coração, sentimentos e intenções humanas, entramos em terras desconhecidas, pois, o único capaz de saber e discernir o coração do homem é Deus observem as palavras do Salmista “Tu sabes o meu assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento” (Salmos cap 139 v 2), veja também o que disse São Lucas a respeito do Senhor Jesus o verbo encarnado “Jesus, porém, conhecendo os seus pensamentos, respondeu, e disse-lhes: Que arrazoais em vossos corações?” (Lucas cap 5 v 22). Será que o Senhor ocultou as más intenções dos seus irmãos a José ou ao seu pai Jacó? Ou será que ficamos cegos intencionalmente quando os nossos inimigos se tratam de nossos irmãos? Ou será que o ciúme leve aos nossos olhos, não crescerá e causará males tão grande que não se podem ser resolvido?

A questão que desejo me ater não se trata de colocar a família em suspeita ou dividi-la, mas, informar pela revelação de Deus na Bíblia, que a natureza humana é má, e isto, independe de ser seu pai, sua mãe, seu irmão (a), ou filhos e filhas, pois, somos por natureza pecadores; observe as palavras do Apostolo Paulo: “Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço” (Romanos cap 7 v 19), sim, o Apostolo Paulo entendia e via no seu próprio corpo duas forças que lutavam entre si, sendo que a velha natureza  que herdamos de nossos antepassados a natureza má, impulsiona os homes e mulheres do mundo inteiro para fazer o mal, quer seja nossa família ou não. E se somos maus por natureza; quem poderá nos livrar do corpo desta morte? Para tanto, também disse o Paulo com alegria “Dou graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor” (Romanos cap 7 v 25 e cap 8 v 1), glorifiquemos a Deus o Pai, que enviou seu Filho Jesus Cristo, que se fez homem, para nos livrar na sua morte na cruz de nossa velha natureza, de modo que a vida que vivemos na carne ou no nosso corpo vivemos como vivos entre mortos,  pois diz: “Mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça” (Romanos cap 6 v 13), outrora usávamos o nosso corpo para o mal, agora livres do aguilhão do pecado e da escravidão mundana, Deus espera que usemos nosso corpo para fazer o bem e isto de todo o coração de modo que: nossos pensamentos, intenções e propósitos  sejam instrumentos de justiça.
 

• COMO ENTÃO GUARDAREI MINHA FAMÍLIA?

A resposta é: eu não guardarei, e mesmo que tente; eu não conseguirei, porquanto, não há em mim poder para isto. Mas, se eu tentar! Será que instalando câmeras em cada cômodo de minha casa eu estarei seguro? Ou se eu comprar muitos cachorros ferozes e treinados eles me protegerão? Ou será que muitos guardas e vigias poderão me livrar?  Ou talvez se eu reforçar as trancas e janelas com grades de aço? Ou ainda se eu levantar os muros de minha casa até que alcance as nuvens ficarei seguro? Saibam, pois, que ainda que por um momento eu me veja guardado dos inimigos externos; quem me livrará dos internos? E nestes inimigos internos eu me incluo, e se isto não fosse verdade, não haveria pessoas que se enforcasse ou tomasse venenos para dar cabo da própria vida. Logo, torno a perguntar: Haveria alguém que sozinho sem a ajuda de Deus o Senhor seria perfeitamente livre ou guardado do mal? A resposta é não, pois diz o Salmista “Se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela; Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam” (Salmos cap 127 v 1), isto; me faz entender, que toda  a segurança que achamos ter, incluindo artifícios humanos tais como: trancas, muros, câmeras de seguranças e tantos outros, não podem, nem poderão garantir a nossa segurança. Espere eu não estou dizendo que você não deva fazer tudo que lhe for necessário para se proteger ou proteger a sua família, não é isto que estou lhes dizendo, mas, estou lhes dizendo pela revelação de Deus nas Escrituras que Aquele quem nos guarda é o Senhor Deus, e não nenhum de nós ou quaisquer artifícios que possamos fazer.

E ao olharmos para a proteção de Deus o Pai, ela é tão grandiosa que vai alem da nossa capacidade de pensar ou imaginar; para tanto, observem as palavras do Senhor Jesus, quando falou a respeito dos pássaros e de todos nós “Não se vendem dois passarinhos por um ceitil? e nenhum deles cairá em terra sem a vontade de vosso Pai” (Mateus cap 10 v 29), o Senhor Jesus, deixa bem claro que os pássaros, só serão presos em armadilhas humanas se Deus o Pai deixar, mostrando seu amor e proteção para os seres que damos pequeno valor “Dois ceitil” e com respeito aos homens Ele o Senhor Jesus deixou claro: “Não temais, pois; mais valeis vós do que muitos passarinhos”(Mateus cap 10 v 31), meus irmãos o amor e a proteção de Deus por nós não se pode medir e nem calcular, também, não existem palavras dentro das línguas ou idiomas mundiais para expressar este amor, e a prova disto está nas palavras do Apostolo João guando disse “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” ( João cap 3 v 16), sim, de tal maneira, é algo que foge a nossa dimensão, meio, ou espaço, ou as leis da matemática, físicas, geografia e tantas outras faculdades todas elas não saberão calcular ou dimensionar este amor, e se tenho este conhecimento e creio nisto; então eu confiarei Nele para guardar tanto a mim, quanto a todos a quem amo; pois diz o texto Sagrado “A ti clamaram e escaparam; em ti confiaram, e não foram confundidos” (Salmos cap 22 v 5), não há duvidas Deus nos guardará.
 

• A SALVAÇÃO DE DEUS EM JOSÉ

Se tiveres chegado até aqui nesta leitura, não será difícil para você enxergar a mão de Deus sobre a vida de José filho de Jacó para guardá-lo e livrá-lo da morte e não somente ele, mas, inclusive a vida de todos aqueles que quiseram matá-lo. Porquanto disseram seus irmãos ao seu respeito “Vinde, pois, agora, e matemo-lo, e lancemo-lo numa destas covas, e diremos: Uma fera o comeu; e veremos que será dos seus sonhos” (Genesis cap 37 v 20), e mesmos que Rúben o seu irmão mais velho intentou livrá-lo, pois disse: “Não lhe tiremos a vida; isto disse para livrá-lo das mãos deles e para torná-lo a seu pai” (Genesis cap 37 v 21-22), isto não foi o suficiente, pois quem tem poder de livrar, não é Rúben, nem ninguém, mas unicamente Deus o Pai. Mas quero chamar a sua atenção para mais esta questão: Qual foi propósito de Deus em não livrar José naquele momento, se em suas mãos está todo o poder?

Esta resposta nós encontramos a partir do capitulo trinta e nove do livro de Genesis e conseguiremos perfeitamente entender os planos de Deus para José, seu pai Jacó e todos os seus irmãos, todavia, quero vos dar a resposta nas palavras do Senhor Jesus na ocasião que discursou sobre os pássaros nos fazendo refletirmos nas nossas condições e privilegio diante de Deus, pois disse: “Nem um pássaro cairá sem que Deus o Pai permita” (Mateus cap 10 v 29), mas se vier a cair; caiu porque Deus o Pai permitiu, se veio a morrer; morreu porque Deus o Pai permitiu, ou ainda se vier a estar preso em uma armadilha humana é porque Deus viu um propósito neste pássaro tanto em sua morte, ou em sua prisão; sim, Deus em seu eterno saber viu este pássaro servindo de alimento na mesa de alguém, ou viu este pássaro ainda que preso em uma gaiola alegrando a vaidade de um rico; antes viu este pássaro servir de renda para que um pobre ao vendê-lo pudesse alcançar seu sustento ou seu pão, Deus tudo vê, tudo sabe, tudo guarda e quando não guardou; a nosso ver míope, também é Fiel em seus planos, para logo mais a frente nos fazer enxergarmos o porquê de tudo isto ou daquilo, e desta forma eu e você, glorificaremos a Ele duplamente. E isto; se vê perfeitamente na vida de José.

Para tanto, quero de forma simplificada comentar sobres a muitas injustiças que foram feitas a José, sendo a primeira injustiça vinda de seus irmãos, ou que culpa ele tinha pelo fato de seu pai Jacó o amar mais que os outros? Mesmo assim, foi vendido como escravo. E estando em terra estranha e na condição de servo, um homem cujo nome é Potifar, oficial nos serviços do rei Faraó veio a comprá-lo e fazer dele seu criado, todavia, a mão de Deus estava com José de modo que Potifar ao ver a prosperidade em sua casa o promoveu para mordomo de tudo o que tinha. Veio a segunda injustiça, a mulher de Potifar não conseguindo seduzir a José para se deitar com ela, o acusou de tentar tomá-la a força e como resultado perdeu sua mordomia e tornou-se agora alem de escravo um condenado por crime de abuso sexual. Porem, a mão de Deus estava com José e com todos os que amam a santidade e a justiça, e mesmo na prisão Deus estava com José e logo, o carcereiro lhe deu o governo entre os presos e entre os presos ele presidiu. E dentre estes presos que José presidia, ali chegaram dois presos ilustre sendo um copeiro do rei Faraó e o outro padeiro do rei. Ilustres por quê? Ilustres, porque o rei contava com a fidelidade deles para viver em paz; ou como não será ilustre, visto que um cuida do alimento do rei, garantindo um alimento saudável! E o outro de igual forma, garante que toda bebida seja, boa e ao mesmo tempo livre de qualquer mal ou veneno, todavia, ambos foram acusado diante do rei e por isto, estavam presos. Mas, Deus que não deixa nenhum dos seus servos enganados, veio e provou a inocência de um e confirmou a culpa do outro para José, quando deu a ambos um sonho e José interpretou cada um deles pela sabedoria que Deus lhe conferiu e ao interpretar o sonho pela revelação de Deus disse José ao copeiro: “Daqui três dias você será restabelecido ao seu oficio diante de Faraó e ao chegar lá, lembra-te de mim, pois, estou aqui injustamente e fui roubado de minha família” (Genesis cap 40 v 14-15; 23). Veio então a terceira injustiça, pois, o copeiro esqueceu-se de José.  
  
Dois anos se passaram até que Deus trouxe a memória do copeiro, que na prisão havia um homem que tinha sobre ele a capacidade divina, para se interpretar sonhos; e com certeza saberia interpretar os sonhos de Faraó, pois, o mesmo estava perturbado em seus pensamentos, e não havia ninguém em todo o Egito que pudesse ajudá-lo nesta questão. O tempo de injustiça sobre José chegou ao seu final, porquanto Deus o exaltou diante de todos os egípcios por haver interpretado o sonho de Faraó com sabedoria, e agora Deus lhe deu por meio de Faraó o governo do Egito e a responsabilidade de plantar e colher dos frutos da terra nos sete anos de prosperidade que viria, conforme a revelação de Deus ao rei Faraó (Genesis cap 41).
  
Amados irmãos, Deus trouxe a José a sua justiça e fez reluzir a luz de José diante dos egípcios e de todos aqueles que um dia o havia feito seu escravo, talvez, tudo o que estava acontecendo a José ainda não estava claro aos seus olhos, porem agora, os planos de Deus são revelados a José, visto que são planos eternos, pois Deus não improvisa, Ele elabora, Ele arquiteta, Ele faz conforme a sua Soberana vontade e isto, Ele mostrou a José e a nós homens de visão míope, na ocasião em que sua família, (os irmãos de José) vieram até o Egito buscar comida para sua própria sobrevivência, porque em todas as terras havia fome. E disse Jacó aos seus Filhos: “Eis que tenho ouvido que há mantimentos no Egito; descei para lá, e comprai-nos dali, para que vivamos e não morramos” (Genesis cap 42 v 2), tudo estava no controle de Deus, exatamente como Ele havia revelado ao rei Faraó pela sabedoria que deu a José, e todo o sofrimento de José teve em Deus um propósito; o qual era Salvar vidas da fome que veio sobre a terra, e neste grande acontecimento Deus por meio de José Salvou o mundo da fome, incluindo a si e sua família porquanto, em todo o Egito havia pão em abundancia e todas as terras e povos corriam para lá vejam: “E de todas as terras vinham ao Egito, para comprar de José; porquanto a fome prevaleceu em todas as terras” (Genesis cap 41 v 57). Diante da revelação de Deus nas Sagradas Escrituras eu me dobro e reverencio seu autor o Espírito Santo o qual inspirou homens fieis para nos escrever seus ditos e nos fazer lembrar-se das palavras do Senhor Jesus Cristo que diz: “E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para com eles? Digo-vos que depressa lhes fará justiça. Quando, porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra? (Lucas cap 18 v 7-8; 2º Pedro cap 1 v 21); João cap 14 v 26). Portanto, tenhamos fé no Senhor Deus e Pai de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo , pois, em breve seremos Salvos de toda dor e sofrer e viveremos eternamente ao seu lado, pois, isto Ele nos prometeu quando disse: “Na casa do meu Pai há muitas moradas; Eu vou vos preparar lugar e voltarei para vos buscar; para que onde Eu estiver vocês meus servos e discípulos  também estarão (grifo meu)” (João cap 14 v 1-3).
 

• O PAGO DE JOSÉ EM DEUS

O Senhor Jesus Cristo em suas palavras disse: “Deus fará justiça aos seus escolhidos” (Lucas cap18 v 7), e ao olhar para vida de José; homem escolhido de Deus como você também o é,  fica claro e notório as justiças de Deus neste escolhido, e elas são evidentes em toda a sua trajetória observem:

- Sendo ele o menor dentre seus irmãos, Deus em Jacó seu pai o amou mais que todos os outros; (Genesis cap 37 v 3)

- Sendo ele o menor e desprezado por seus irmãos, Deus o fazia justiça dando a José sonhos e nestes sonhos José era honrado; (Genesis cap 37 v 6-9)

- Foi vendido como escravo para servir a estranhos, todavia, Deus lhe deu o governo da casa do estranho; (Genesis cap 37 v 27; cap 39 v 1-6)

- Foi acusado e preso injustamente, mas até na prisão ele presidiu, e estando em prisão, Deus lhe concedeu capacidade de interpretar sonhos; (Genesis cap 39 v 21-22; cap 40 v 12)

- Foi esquecido na prisão, mas, Deus fez Faraó sonhar para que o interprete de sonhos fosse solto e se torna o governador de toda a terra do Egito; (Genesis cap 40 v 23; cap 41)

Eu pergunto a você: Porventura, o Deus e Pai de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo deixará de nos fazer justiça, a nossa fé que depositamos no seu Filho? Ou será que assim como guardou José, de todas as suas angustias, medos e tribulações também a nós não fará? Porventura Deus também não nos escolheu? Deus mudou por acaso? Portanto, abram vossos olhos e vejam todas as evidencia que Deus tem cuidado de você, de sua família e de toda sua parentela por amor de ti.  Olhemos agora qual foi o pago de José para os seus irmãos observem:

- Ao reencontrá-los se fez estranho para seus irmãos, porem, lhes deu comida, trigo em abundancia e restituiu seu dinheiro; (Genesis cap 42 v 25)

- E quando todos se reuniram lhes deu tratamento especial, e ao seu irmão mais novo lhe deu porção cinco vezes maior; (Genesis cap 43 v 34)

- Depois se revelou a eles; (Genesis cap 45 v 3)

- Os perdoou; (Genesis cap 45 v 4-5)

- Mandou chamar seu pai Jacó e todos os seus irmãos, para habitar na terra de Gósen no Egito e ali os sustentou com comida e com o melhor da terra; (Genesis cap 47 v 6)

- E após a morte de Jacó seus irmãos ficaram com medo de José se vingar, por haver seu pai morrido, todavia, disse José aos seus irmãos: “Vós bem intentastes mal contra mim; porém Deus o intentou para bem, para fazer como se vê neste dia, para conservar muita gente com vida. Agora, pois, não temais; eu vos sustentarei a vós e a vossos filhos. Assim os consolou, e falou segundo o coração deles” (Genesis cap 50 v 20-21). Deus é a segurança do seu povo, ainda que Jacó morra Deus é vivo, ainda que José morra Deus é vivo ainda que nós viéssemos a morrer não temas, porquanto Deus sustentará as nossas famílias, pois, antes de ser nossa é Dele.
 

• SEGURANÇA VS REFERENCIA

Meus queridos saibam, pois, que toda a nossa segurança e a dos nossos filhos, estão diretamente relacionados com o que cremos e com o que temos ensinado a eles. Logo, eu pergunto: Como então, eu terei a paz e andarei seguro; visto que não confio em Deus, não acredito em suas palavras e nem espero por suas promessas? Logo, como meus filhos terão a paz em Deus, se a eles não ensino e não sou seu exemplo? Olhemos agora mais uma vez para José em meio às lutas e os revezes da vida, e então saberemos o porquê ele sobreviveu a todos os seus desafios e foi vencedor em Deus.

José não tinha a presença do seu pai Jacó com referencia no Egito, todavia, tinha e confiava na presença de Deus o Pai, com seus irmãos não contava e nem esperava um resgate, mas, no Deus de seus pais ele esperava, e anelava um dia rever seu pai e família. Como surgiu em José tanta fé e confiança em Deus? A resposta está em Jacó, que passou aos seus filhos o legado que recebeu de seu pai Isaque, que por sua vez recebeu de Abraão, logo os testemunhos de Abraão, Isaque e do próprio Jacó foram repassados aos seus filhos e José os absolveu e isto, lhe foi por segurança e salvação. Também é justo dizer, que não basta nós e os nossos filhos termos um legado em Deus e o exemplo de nossos pais, se deles não fizermos caso. José porem, não foi negligente as suas promessas e herança, mas, se prontificou diante de Deus e agarrou as palavras de seus pais e todas as promessas de Deus feitas a Jacó do qual ele era filho e herdeiro e passou a viver mesmo como sendo um escravo, todavia, viveu com honestidade, santidade e justiça, pois, Deus é santo, justo e verdade e importa que todos que os tem por Pai, sejam semelhantes a Ele, para tanto disse o Senhor Jesus Cristo: “Sedes vós, pois perfeito como vosso Pai que esta nos céus é perfeito” (Mateus cap 5 v 48), ao qual também disse Paulo: “Sedes meus imitadores, pois eu tenho imitado ao Senhor Jesus Cristo” (1º Coríntios cap 11 v 1). Porquanto, todo aquele que se compromete com a fidelidade e a sinceridade disse o sábio: “Este andará Seguro” (Provérbios cap 10 v 9).
 

Conclusão:

Eu venho concluir este texto, fazendo menção da palavra de Deus Jesus que diz: “Não temais aqueles que matam o corpo e não podem matar a alma, antes temei a Deus que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo” (Mateus cap 10 v 28), percebam a verdade da revelação do Senhor Jesus aos seus discípulos amados, pois, não lhes iludiu com respeito aos perigos e a morte do corpo, todavia, lhe informou que as suas almas que são eternas serão guardadas em Deus e livre da segunda morte o juízo eterno que em breve vira para todos os ímpios e desobedientes as palavras de Deus o Senhor (Apocalipse cap 20 v 14), todavia, para os salvos em Jesus Cristo, receberão vida eterna e um novo corpo (1º Coríntios cap 15 v 52), portanto, deixemos toda a miopia pela revelação de Deus nas Sagradas letras e passemos a enxergar os planos eternos de Deus para mim, para meus filhos e para todos da minha e da sua família.
 
Autor: Ev. Eli Hudson
Via: www.estudosgospel.com.br

Ev. Eli Hudson
Ev. Eli Hudson é casado pai de três filhos; tem exercido o Ministério Pastoral na Igreja Assembléia de Deus M. Perus; foi o pioneiro na fundação do trabalho no Bairro do Pretória (Bairro carente na periferia da cidade), Franco da Rocha - SP pela Igreja que responde, seu exercício no ministério é marcado pela pregação e ensino isto; nas Igrejas, nas Rádios, nas Praças, nos Presídios e atualmente na Radio Nova Estação (comunitária), na freqüência 87,5 FM das 15:00 as 16:00 horas ou por meio do Site: www.radioestacaofm.com.br
Também, está envolvidos em projetos Sociaias na Entidade Filantropica Azarias Ceifa o qual exerce a função de conselheiro Fiscal.

 
E-mail: This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.