As Três Portas do Tabernáculo

 
08. E me farão um santuário, e habitarei no meio deles. 09. Conforme a tudo o que Eu te mostrar para modelo do Tabernáculo, e para modelo de todos os seus pertences, assim mesmo o fareis. Êxodo 25:8 e 9

INTRODUÇÃO

Eu orava a Deus pedindo uma palavra, ou melhor, na verdade três mensagens para levar às ovelhas da igreja que pastoreio, pois em um final de semana, nasceu no coração de minha esposa uma campanha que no momento que ela compartilhou comigo veio a cair bem em meu coração. Esta campanha aconteceria na sexta, no sábado e no domingo, e seu nome seria “A CHAVE QUE ABRE PORTAS”.
 
Sabemos que todos, sem exceção, desejam uma porta aberta, mesmo quando esta porta se abrir, outra porta nascerá em nossos corações e necessitaremos de que esta nova porta também seja aberta, mas em muitos momentos vemos que algumas coisas não acontecem, algumas portas não abrem e começamos a ficar desesperados. Por isso sempre me recorro a palavra de Deus para o ensino certo, aprendi que a bíblia é o melhor e maior manual de comportamento humano, nela temos todas as resposta que nascem em nossos corações.

Assim nasceu mais esta mensagem que preguei em três etapas para a igreja que pastoreio, uma porta em cada dia. Mas para vocês, amigos leitores, me deterei neste contexto como sempre tenho feito exibindo a mensagem por completo, tentando ser o mais simples e transparente no decorrer de nossa mensagem. E assim mais uma vez venho carinhosamente solicitar a todos os amados irmãos que abram seus corações e se alimentem da mensagem que Deus colocou em meu coração. Sei que lhes será de grande utilidade, e que Deus nos abençoe.
   

A SAÍDA DO EGITO

É sabido que depois de mais de 400 anos de cativeiro, com mãos fortes o Senhor Jeová tirou da escravidão do Egito o povo hebreu. Agora eles tinham que viver na dependência de Deus e não mais esperar por esmolas como tinham no passado. Deus queria que seu povo descansasse na confiança de que só Ele é verdadeiro Deus.

O povo havia saído do Egito, mas o Egito ainda não havia saído de dentro do povo e isso precisava acontecer, pois uma situação drástica requer medidas drásticas. Então o Senhor leva o povo para o deserto para que fossem tratados e aprendessem a viver na dependência dEle.

Mas para que Deus se manifestasse no meio do povo com poder e glória, era necessário que algumas coisas fossem observadas, pois quando o pecado entrou no mundo através de Adão, foi traçado por Jeová um plano de redenção no qual o homem seria redimido da morte eterna.

Deus abre o céu e em uma visão transcendental mostra a Moisés um lugar que estava na glória e que deveria ser feito na terra da mesma maneira que lhe fora mostrado. Mas Moisés sabia que não tinha habilidade para construção, embora tivesse sido instruído em toda a sorte de ensinamento quando criado no palácio por Batia, a filha do Faraó. Então Jeová derrama uma unção temporária e majestosa sobre dois homens, Bezalel e Aoliabe, e assim tudo que Moisés havia visto na visão divina ele falava e Bezalel e Aoliabe fazia idêntico, e após ter se concluído a construção do Tabernáculo os dois homens não mais podiam fazer uma obra igual.

Além do prédio do Tabernáculo também fizeram todas as mobílias e artefatos religiosos que havia no interior, tudo conforme dito por Moises. Mas gostaria de deixar de lado a mobília e me ater no Tabernáculo e alguns detalhes.
            

O TABERNÁCULO

O Tabernáculo era uma tenda portátil com uma armação de madeira para dar estabilidade, e nos anos de peregrinação no deserto ele era montado de tempo em tempo. O santuário inteiro consistia em três partes: O átrio externo, cercado por cortinas apoiadas em colunas, sendo retangular em sua forma cujas dimensões eram de 100 x 50 cúbitos, ou seja, 50 x 25 metros, e uma tenda que tina uma extensão de 15 x 5 metros.

Qualquer Israelita poderia entrar no átrio, mas só os da tribo sacerdotal, os sacerdotes poderiam ir mais adiante ao Santo Lugar, mas somente o sumo sacerdote iria mais além, no Santo dos Santos e somente uma vez por ano no dia da Expiação, no Yom Kippur.

Deus lhes revelou um padrão de adoração que era consistente com a Sua santidade, tornando possível para o homem pecador entrar em Sua presença, e este padrão de adoração estava revelado no Tabernáculo inteiro.

O ÁTRIO E A SUA PORTA

No lado de fora do santuário os Israelitas se viam diante de uma parede de linho branco com um diâmetro de 135 metros e somente em uma extensão de 9 metros era diferente, era o portão de entrada que era multicolorido sendo em branco, azul e púrpura e carmesim, que estava apoiado em quatro pilares indicando claramente que havia somente um local de entrada, um único local onde poderiam ter acesso ao interior do lugar santo, para serem perdoados e limpos   

Logo ao entrar no átrio por um único portão que era a única entrada para o solo santo, podia se ver um altar de bronze onde eram feitos os sacrifícios e mais a frente uma pia de bronze na qual os sacerdotes lavavam suas mão e seus pés para poderem adentrar no lugar santo, correndo risco de morte caso não o fizessem.

O altar de bronze era o lugar onde se sacrificava o cordeiro para que os pecados fossem perdoados por Deus, assim toda a vez que um Israelita pecava, logo ele levava um cordeiro macho, sem mancha ou defeito e punha a mão na cabeça do animal e proferia palavras de arrependimento e então o sacerdote sangrava o animal até que ele morresse. Assim este altar de bronze representa a cruz onde nosso Senhor Jesus sangrou até a morte para nos perdoar os pecados como disse o profeta Isaías (Is 53).

Mas para que o pecador pudesse adentrar no interior do Santuário era necessário passar pela única porta, e esse lugar recebeu um nome carinhoso pelos Israelitas de “O CAMINHO”. E essa porta não tinha tranca, pois estava sempre aberta para aquele que precisasse entrar e se apresentar para o sacrifício do arrependimento. Este portão, O CAMINHO é a chamada da salvação eterna, o vinde a mim de Jesus.

O SANTO LUGAR E A SUA PORTA

No átrio qualquer Israelita podia entrar, mas no Santo Lugar não, pois ali somente um sacerdote poderia entrar, e após se lavar na pia de bronze. O Santo Lugar ficava dentro da tenda do Tabernáculo e esta tenda era retangular e media 15 metros de extensão por 5 metros de largura e nesta tenda estava o Santo Lugar e o Santo dos Santos. Logo ao passar pela porta de entrada ele se deparava com alguns utensílios majestosos, são eles: O castiçal de ouro à esquerda, chamado de Menorah, a Mesa dos pães da preposição e o altar dourado de incenso.

Toda a mobília aponta para o Messias, pois o castiçal é um tipo de Jesus que sem dúvida é a lâmpada da igreja que nunca se apaga e ilumina nossos caminhos. A mesa dos pães também é Jesus que é o pão vivo que desceu do céu e verdadeiramente é o único alimento que sacia a nossa fome. O altar do incenso aponta para Jesus como nosso intercessor, pois também os quatros cifres em volta do altar do incenso nos falam dos quatro ministérios de Jesus, pois só Ele salva, cura, batiza com o Espírito Santo e voltará para buscar sua igreja.

Na verdade a entrada para o Santo Lugar não era uma porta de madeira, mas era uma cortina bordada com querubins por toda ela, e esta porta também tipifica Jesus, que é a entrada que nos leva ao Santo dos Santos, a verdade que nos faz achegar ao trono da graça, mas algo interessante é o nome da porta que separava o Átrio do Santo Lugar. Pasme você, mas o nome dessa porta era “A VERDADE”. Essa porta como a da entrada do Átrio também não tinha tranca. Esta porta também é a chamada para a vocação é o vinde após mim do Senhor Jesus.

O SANTO DOS SANTOS E A SUA PORTA

Após o Santo Lugar estava o Santo dos Santos, também chamado de Lugar Santíssimo, e ali dentro estava o maior artefato religioso da história da humanidade, a Arca da Aliança e seu propiciatório, que representava a presença palpável e tangível do próprio Deus Jeová, o único e verdadeiro Senhor dos senhores.

Este lugar era um pequeno cômodo de 5 x 5 metros separado do Santo lugar por um véu (Ex, 26:31 a 34) feito de linho torcido e de três cores, azul, púrpura e carmesim, e ali não havia nenhuma luz natural, ou artificial, mas a própria glória de Deus, a “Shekinah” iluminava o lugar. No Santo dos Santos não havia nenhum acento para homens e o sumo sacerdote entrava de cabeça curvada e pés descalços uma vez por ano. Também nenhuma voz era ouvida lá dentro, só a voz de Deus.

O véu que separava o Santo lugar e o Santo dos Santos representava a separação entre Deus e o homem, pois a palavra véu significa separar. Este véu nunca poderia ser tocado a não ser pelo sumo sacerdote uma vez por ano (Lv, 16:02), no dia da expiação.

No dia da morte do Senhor Jesus a bíblia relata que o véu do templo (Lc, 23:45) foi rasgado de cima para baixo, pois se fosse ao contrário alguém poderia duvidar de que fosse a mão de Deus operando esta maravilha, pois agora o acesso a Deus está livre, Jesus conquistou essa proeza para o homem.

Mais uma vez vejo algo muito interessante, a porta, o véu de linho torcido, que dava acesso ao Santo dos Santos, pois também tinha um nome, este véu se chamava “A VIDA”. Jesus é a vida que não se acaba, a vida que nos leva a sermos eternos como Ele e assim podermos morar ao seu lado. O Santo dos Santos é a chamada para a comunhão com Deus, é o permanecei em mim de Jesus.
                

A PORTA ABERTA

João – 14: 6 – “E disse Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai se não for por mim”.

Esta é a grande verdade do Tabernáculo que Deus mostrou a Moisés. A bíblia tem Deus como seu autor; o Espírito Santo como o escritor e Jesus como o assunto central de capa a capa. Somente através de Jesus poderemos chegar a presença de Deus, pois Jeová não reconhece ninguém que não venha através de Jesus. Agora veja o que vou lhe mostrar

JESUS – AS TRÊS PORTAS DO TABERNÁCULO

Atos – 10:43 – “A este dão testemunho todos os profetas, de que todos os que nele crêem receberão o perdão dos pecados pelo seu nome.”

Como pecadores nós recebemos o cordeiro imaculado, sem defeito, ou manchas, e no altar de madeira ele foi morto nos dando o perdão, adentrando assim pelo caminho e chegando ao altar de bronze.

I Pedro – 2:5 – “Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo.”

Como pecadores já perdoados agora somos aceitos e declarado sacerdotes de Deus, para assim adentrarmos ao Santo lugar.

Apocalipse – 1:6 – “E nos fez reis e sacerdotes para Deus e seu Pai; a ele glória e poder para todos o sempre. Amém.

Como sacerdotes de Deus agora podemos adentrar no Santo dos Santos, no Lugar Santíssimo e assim termos acesso livre a Deus em nome de Jesus, seu filho.   

CONCLUSÃO

Hebreus – 4:16 – “Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno.”   

Sem comentários meus irmãos. Viva a palavra de Deus dia a dia e nos acheguemos a Deus todos os momentos.

|  Autor: Pr. Alexandre Augusto  |  Divulgação: estudosgospel.com.br |


Receba Estudos Biblicos todos os dias!
Cadastre-se seu e-mail! É Grátis
     Digite seu Email Abaixo
Emails Cadastrados

OBS: Não esqueça de confirmar seu email em seguida!