Todo excesso e pecado são feitos conscientemente porque, segundo muitos acreditam, o ritual na quarta-feira de cinzas concederá o perdão e absolvição. Exagera-se, confiando que esse momento de penitência será suficiente para apagar tudo o que foi feito.
Muitos irão para a folia do Carnaval, muitos irão encher a cara de bebidas alcoólicas e de entorpecentes, que erroneamente acham que suprirão seus vazios interiores. E você, escolherá beber da Água Viva de Deus ou da água do mundo?
Infelizmente não estamos livres das tentações, mas se orarmos e estivermos em comunhão com o Senhor, nenhum mal poderá nos tocar por que como diz, Romanos 8, 1... Nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus.
Por séculos e séculos, Satanás corrompeu a Igreja (dita Universal em Latim), para por em prática seus planos, dentre eles de ser cultuado livremente no período dos festejos de carnaval, com a aceitação das autoridades políticas e religiosas que dominam.
Os povos pagãos antigos homenageavam seus deuses greco-romanos em grandes festas. Entre elas, existiam as saturnias (para o deus Saturno) e os bacanais (para o deus Baco, na mitologia romana, conhecido também como Dionísio, na mitologia grega).
Segundo definição genérica, o carnaval é uma festa popular coletiva, que foi transmitida oralmente através dos séculos, como herança das festas pagãs realizadas a 17 de dezembro (Saturnais - em honra a deus Saturno na mitologia grega.) e 15 de fevereiro (Lupercais - em honra a Deus Pã, na Roma Antiga.).
O carnaval foi chamado de Entrudo por influência dos portugueses da ilha da Madeira, Açores e Cabo Verde, que trouxeram a brincadeira de loucas correrias, mela-mela de farinha, água com limão, no ano de 1723, surgindo depois as batalhas de confetes serpentinas.
Sobre a origem da palavra carnaval, vários estudiosos já tentaram explicar. Entre as aceitas está 'carnelevale', do dialeto milanês, que significa tempo em que se tira o uso da carne. Outros informam que as raízes do termo se constitui em objeto de discussão, e que o vocábulo pode advir da expressão latina 'carrum novalis' (carro naval)
A Palavra de Deus alerta aos carnavalescos e foliões asseverando que tais manifestações, 'imoralidade sexual, impureza e libertinagem; idolatria e feitiçaria; ódio, discórdia, ciúmes, ira, egoísmo, dissensões, facções e inveja; embriaguez, orgias', são sim carnais, porém advertindo também que 'aqueles que praticam essas coisas não herdarão o Reino de Deus'
'Então Jesus o ordenou : Retira-te, Satanás, porque está escrito: Ao SENHOR, teu Deus, adorarás, e só a ELE darás culto. Com isto o deixou o diabo, e eis que vieram anjos e o serviram. Mais um ano se inicia, e mais uma vez nosso País se prepara, para durante quatro dias cultuar Satanás, reafirmando a entrega do mundo ao maligno e afrontar ao único e verdadeiro DEUS.' Mateus.4:10-11
Ao contrário do que se imagina, a origem do carnaval brasileiro é totalmente européia, sendo uma herança do entrudo português e das mascaradas italianas. Somente muitos anos depois, no início do século XX, foram acrescentados os elementos africanos, que contribuíram de forma definitiva para o seu desenvolvimento e originalidade.
Falar da carne (tentação) agora é falar da tentação multiplicada do Carnaval, onde podemos observar sobremaneira a clara e concreta ação dos espíritos malignos regendo a carne. Vemos também claramente sua fraqueza, sendo sacrificada pelo maligno.