Estudo Bíblico O Escudo da Fé e os Dardos Inflamados do Maligno


“Tomando, sobretudo, o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno” – Efésios 6:16.

Em toda guerra espiritual o versículo 16 de Efésios 6 é um dos pontos centrais para os cristãos e entende-lo completamente pode ser o diferencial para aqueles que saem vitoriosos na batalha contra as forças das trevas. Neste versículo Paulo cita uma das mais poderosas armas de Deus e uma das mais terríveis armas de Satanás contra nós. Veremos detalhadamente esse assunto, o qual é de suma importância para nosso crescimento como servos de Deus.

Comecemos com as seguintes perguntas: que dardos são esses que Paulo menciona? Como o inimigo lança tais dardos? Em primeiro lugar a maior parte da batalha espiritual que passamos não ocorre do lado de fora dos nossos membros, mas dentro de nós! É na mente que as grandes batalhas se travam e os dardos inflamados do adversário são costumeiramente lançados lá. O inimigo lança, continuamente, setas de dúvida, setas de medo, setas de ciúmes (obsessão), setas de perturbação e confusão, setas de maldade e malícia tais como ninguém, em sã consciência, conseguiria imaginar.

O inimigo é um estrategista e sabe como atacar cada um de nós. Ele não é onisciente, mas através de seus soldados, observa cada pessoa, buscando em sua vida brechas por onde possa atacar seus dardos. Ele não sabe o que se passa em sua mente (pois somente Deus tem essa capacidade), mas pode saber se está logrando êxito em algum ataque pela reação esboçada pela pessoa que é atingida. Ele não pode ler sua mente, mas pode, por exemplo, “soprar” uma idéia suja nela, um pensamento estranho à sua real vontade, tentando convencê-lo daquilo que você talvez nunca desejou.

Já li relatos de pessoas, as quais, sofrendo tais ataques, voltaram-se contra filhos, para os matar, porque continuamente havia uma “vozinha” em suas mentes dizendo que deveriam fazer isso. Outros, em ataques de ciúmes, voltam-se contra os cônjuges, porque ouvem uma “vozinha” dizendo-lhes que existe uma traição escondida ou, então, que a mulher está saindo demais e é bom o marido vigiá-la de perto. Assim surgem complexos, traumas, obsessões e, em casos mais graves, homicídios e suicídios.

Há também os pensamentos de conteúdo negativo, violento ou sexual, que trazem grande angústia para muitos servos de Deus. As pessoas começam a sentir-se afastadas de Deus, longe da comunhão com Cristo, vazias do Espírito Santo e perdidas com relação à fé. Tais pensamentos surgem como ondas, indo e vindo em diversos momentos, às vezes de forma mais fraca, outras de forma muito forte e constante. Pensamentos de blasfêmia e envolvendo a sexualidade com Deus também são vistos, aterrorizando as pessoas que sofrem esses ataques, fazendo-as desejar até mesmo a morte. Eu li em um site, há pouco tempo, um rapaz de uma igreja que, sofrendo com tais ataques, tentou o suicídio, saltando do sexto andar de um prédio. Apesar dessa loucura e de várias fraturas sofridas pelo corpo, o rapaz não morreu e então pôde perceber que Deus era com ele.

Lendo recentemente um excelente livro sobre Guerra Espiritual pude constatar o que ocorreu com John Bunyan, autor do livro O Peregrino, quando foi afligido por uma verdadeira chuva de dardos inflamados do maligno. O trecho a seguir encontra-se no Livro Guerra Espiritual – Combatendo a Boa Batalha da Fé, de Brian Brodersen, nas páginas 22 e 26:

“Por aproximadamente um mês, uma grande tempestade abateu-se sobre mim, atingindo-me vinte vezes mais forte do que qualquer outra que já havia enfrentado. Ela assaltou-me aos poucos, parte por parte; primeiro, todo o meu conforto me foi tirado, depois as trevas se apoderaram de mim, então, rios de blasfêmias contra Deus, Cristo e as Escrituras fluíam no meu espírito, para a minha completa perplexidade e confusão. Esses pensamentos blasfemos despertaram questionamentos em mim contra a própria existência de Deus e de seu único amado Filho. Questionava-me se existia realmente um Deus ou um Cristo e se as Escrituras Sagradas não eram apenas fábulas ou histórias da carochinha, em vez de ser a santa e pura Palavra de Deus.

O tentador também me atacava por meio de outros pensamentos: “Como posso afirmar que Jesus é o Salvador através das Escrituras se os mulçumanos podem fazer o mesmo em relação a Maomé? Como é possível que milhares de pessoas pelo mundo vivam sem conhecer o caminho para o céu? E se realmente existe um céu, somente nós, de uma parte da Terra, devemos ser abençoados por ele? Todos pensam que sua própria religião é a mais correta, tanto judeus e mouros, como os pagãos, e se Cristo, as Escrituras e a nossa fé também forem simplesmente um achismo?”.

Por vezes, esforcei-me a debater essas influências e citar algumas das frases do abençoado Paulo contra elas. Mas, aí de mim, por que logo caía quando assim o fazia, pois tais argumentos voltavam-se rapidamente contra mim. Embora tenhamos dado grande importância a Paulo e a suas palavras, ainda sim poderia dizer que, na verdade, ele foi muito sutil e astuto, enganando por meio de ilusões com a intenção de eliminar e destruir seus companheiros. Essas influências, junto a muitas outras, as quais não posso e não ouso expressar nem com palavras nem à caneta, dominaram de tal maneira o meu espírito e sobrecarregaram o meu coração, igualmente em número, duração e força, que senti como se não houvesse mais nada dentro de mim além disso, dia e noite. Definitivamente, não havia espaço para mais nada. Também concluí que Deus, em grande ira para com a minha alma, me entregou a essas influências, para que fosse carregado por elas, como em um redemoinho.

Foi somente por meio do desgosto que esses questionamentos trouxeram ao meu espírito, que senti que havia algo em mim que se recusava a aceitá-los. Mas eu apenas pude considerar isso, quando Deus me permitiu engolir minha própria saliva, se não o barulho, a força e o poder dessas tentações já teriam me afogado. Enquanto passava por essas tentações, constantemente minha mente colocava-se a amaldiçoar e xingar, e dizer graves coisas contra Deus, ou Cristo, seu Filho, e as Escrituras. Então eu pensei: “claro que estou possuído pelo diabo”. E em outros momentos pensei novamente: “provavelmente fui privado do meu bom senso”. Em vez de enaltecer e magnificar o Senhor como os outros. Se eu apenas tivesse ouvido Ele falar, alguns dos mais horríveis e blasfemos pensamentos teriam sido postos para fora do meu coração.

Não importava se eu pensasse que Deus existia ou se, no momento seguinte, achasse que não existia nada disso, porque nem amor, nem paz, nem graça eu conseguia sentir dentro de mim. Essas coisas me afundaram em um profundo desespero, pois concluí que elas não poderiam, de maneira nenhuma, ser encontradas entre aqueles que amam a Deus. Frequentemente, quando essas tentações se abatiam sobre mim, eu me comparava a uma criança que fora levada à força por um cigano, para longe de seus amigos e de seu país. Às vezes, eu chutava e também gritava e chorava, mas ainda estava amarrado às asas da tentação e o vento carregava-me para mais longe. Também pensei em Saul e o espírito demoníaco que o possuiu.

Tive o imenso temor de que a minha condição fosse a mesma que a dele (1 Samuel 16:14). Naqueles dias, quando ouvia outras pessoas falando sobre o que era pecar contra o Espírito Santo, o tentador despertava em mim o forte desejo de cometer tal pecado. Eu não conseguia e nem podia ficar calado até que eu o cometi. Depois disso, nenhum outro pecado me servia mais, a não ser esse. Se para ser cometido fosse necessário colocá-lo em palavra, então, foi como se a minha boca o pronunciasse contra a minha própria vontade. Essa tentação era tão forte, que, por muitas vezes, eu ficava preparado para lançar a minha mão debaixo do meu queixo, para impedir que a minha boca se abrisse. Nesse ponto, cheguei a pensar algumas vezes em me atirar de cabeça em uma poça de lama para não deixar a minha boca falar.”

Todas essas coisas são setas do maligno, dardos inflamados que ele atira para destruir o povo de Deus! Ele tenta, de todas as maneiras, destruir a fé, e uma das armas mais usadas para isso é convencer as pessoas que elas não tem mais salvação devido às coisas que passam por suas mentes. O diabo lança as setas, e ele próprio te acusa e te aponta por conta delas, esmorecendo a fé de muitos e paralisando a caminhada cristã!
Compartilhar

Contudo, tudo isso pode ser contornado, derrubado por terra, desfeito, pelo poder da fé. Se alguém passa por lutas dentro de si mesmo, precisa compreender que isso ocorre porque ele está lutando para ser melhor com Cristo, não porque ele seja mau. Alguém que não se importa com Cristo, não se importaria de toda maldade que passa em seu interior, mas se alguém é de Cristo, busca viver como nova criatura, terá imenso asco e abominação do menor dos pecados, e por isso, estará em contínua guerra interna. E a vitória contra essa guerra é pelo poder da fé. Com a fé os dardos de Satanás são desfeitos, sua força é apagada! Não há dardo que possa ultrapassar o escudo potente da fé em Cristo! Por isso quando um ataque desses ocorrerem em sua vida, clame pelo Nome de Jesus, peça a Ele para te ajudar a ser vitorioso e cubra-se com o escudo da fé, rejeitando todo pensamento e sentimento que se levante contra a vontade do Senhor! Lembre-se que todas as coisas são possíveis ao que crê!

| Fonte: Instituto Gamaliel | Divulgação: EstudosGospel.Com.BR |


Receba Estudos Biblicos todos os dias!
Cadastre-se seu e-mail! É Grátis
     Digite seu Email Abaixo
Emails Cadastrados

OBS: Não esqueça de confirmar seu email em seguida!