A história de José do Egito pode ser avaliada em função de suas fases, ilustradas pelas casas por onde ele passou. Nossas vidas também se dividem em fases. O leitor desta mensagem saberá identificar em qual 'casa' se encontra. Apesar das perdas e do sofrimento, José não perdeu a fé nem a fidelidade no meio do caminho. Cada 'casa' tem suas particularidades, seus limites, seus problemas, desafios e propósitos. Erramos quando não os reconhecemos.
Não havia cartórios, advogados, meios jurídicos que validassem e defendessem a causa da população, então em Israel, era comum se recorrer ao costume dos sapatos para solucionar pendências. Moisés chegou a instruir o povo a se organizar na porta da cidade e com ajuda dos anciãos, firmar contrato envolvendo os calçados. Como Boaz resgatou a Rute, como Moisés tirou as sandálias no Horebe, como Josué ficou descalço em Jericó, assim seja conosco. Tiremos nossas sandálias, nos aliancemos a Deus para uma caminhada segura nessa terra em direção ao porvir.
Antipas se interessou pela mensagem pregada por João Batista, o homem enviado para preparar o caminho de Jesus. Mas a pregação de João o incomodava, porque esse servo de Deus claramente condenou seu casamento adúltero. A declaração de João Batista se baseou na palavra de Deus e foi pronunciada pela confiança desse homem na autoridade absoluta da palavra do Senhor. Por este motivo, João perdeu a cabeça. Não no sentido de radicalismo descontrolado, mas literalmente.
Muita gente conhece a história bíblica de José. Pouca gente olha para o lado político da história. O socialismo de José do Egito, contando com a revelação divina sobre os detalhes da economia no futuro próximo, não foi além da mera sobrevivência. José conseguiu planejar a economia porque o próprio Deus lhe deu a informação necessária
Sara teve uma ideia para 'ajudar' a Deus - sugeriu que Abraão tomasse sua serva, Agar, como concubina, para que Deus cumprisse as promessas por meio de um filho de Abraão com Agar. Tentaram ajudar o Senhor! Por não conseguirem enxergar os meios que Deus usaria para cumprir suas promessas, tentaram facilitar as coisas. Acreditar que Deus fará as coisas do nosso jeito não é fé no Senhor. Imaginar que Deus precisa da nossa ajuda, usando os nossos recursos para ajeitar as coisas para que ele possa cumprir a sua palavra, também não é a fé que ele pede
Quando Deus chamou Abraão, ele lhe fez três promessas - terra, nação e bênçãos para as famílias da terra. Em Jesus Cristo, Deus cumpriu a mais importante das três promessas a Abraão, e nós somos os abençoados por ter acesso à salvação eterna!
Deus perguntou a Caim - 'Onde está teu irmão?' A passagem deixa claro que Deus fez a pergunta não por desconhecer a resposta e precisar de um homem para lhe dizer. Isto porque, quando Caim negou que sabia, Deus revelou que ele já sabia o que aconteceu - Caim matou Abel. Quando Deus faz uma pergunta, ou quando ele fala de uma forma como se fosse menos do que onipotente e onisciente, não é devido a qualquer deficiência em si mesmo, mas é com o propósito de interagir com o homem
Sansão fez tudo o que não deveria fazer, ele escolheu fazer as suas vontades do que as vontades do Eterno. Sansão escolheu julgo desigual, pois se apaixonou por uma filistéia, mesmo sendo alertado por seus pais, tocou no cadáver do leão desobedecendo a seu nazireado, comeu mel impuro e ainda deu a seus pais não falando a verdade e não falar a verdade pode também em alguns casos ser o mesmo que mentira, e se envolveu com prostitutas, revelou seu segredo com Deus e acabou como acabou, derrotado, humilhado, cego, desorientado, e morreu junto com seus inimigos longe de seus pais.
Não acredito que Dalila seja o verdadeiro nome da mulher que traiu Sansão, pois a tradução de seu nome é - 'senhora da noite, sedutora'. Assim teríamos - Sansão, luz do sol e Dalila, senhora da noite. Penso que o nome Dalila surge como uma denominação para a mulher que apagou a luz do sol. Ela foi o insistente laço de Satanás na vida do nazireu. Poderia ter qualquer nome, Dalila porém representa - oposição a Deus, trevas, calabouço, prisão. E digamos que de fato, se chamasse Dalila, a história ficaria ainda mais assustadora.
Durante seis semanas, Jesus andou com seus 11 apóstolos. Pedro viu novamente as provas da sua divindade e seu caráter misericordioso. Mas Jesus sabia que Pedro precisava ouvir as palavras de aceitação, e não deixou a terra antes de confirmar para Pedro a sua graça e perdão. O homem que negou a Jesus três vezes teve oportunidade de afirmar seu amor por ele três vezes, e ouviu três vezes a chamada do seu Senhor ao importante trabalho de apascentar as suas ovelhas.
A seção da Epístola aos Filipenses 3.1-10 está repleta de conselhos. Paulo apresenta algumas considerações práticas aos crentes filipenses. Essas orientações são bastante pertinentes e atuais para a igreja da atualidade. Depois de admoestar os irmãos a que sejam alegres no Senhor (Fp. 3.1), faz algumas advertências em relação aos falsos mestres, e por último, caracteriza o genuíno evangelho de Jesus Cristo.
Qualquer semelhança entre Jeroboão e muitos de nós hoje não será mera coincidência. Há aqueles que, por motivos egoístas, materialistas e políticos, acabam se desviando do caminho inicial e experimentam a corrupção e a dureza de coração. São pessoas que não têm uma história com final feliz. Até mesmo na vida espiritual esse cruel quadro pode ser observado. Jeroboão foi colocado pelo próprio Deus como rei de Israel. O Senhor prometeu abençoar-lhe, mas ele tornou-se um mau exemplo para todo o reino e pagou um preço muito alto por ter se afastado de Deus.