Esboço O Rico e o Mendigo

Lucas 16.19-31


Ensino principal

Quem despreza ao necessitado é culpado. A sua indiferença à miséria do próximo revela o seu estado de perdição. A sorte dos tais é o inferno.

1 - QUE LEMOS DO RICO

Do seu vestuário, da sua vida, da sua morte e sepultura. De muitos hoje pode-se dizer o mesmo. E do seu destino?

Para o mundo além ele não levou riquezas, influências, a companhia dos bons; mas levou a sua memória e afeição natural.

2 - QUE NÃO LEMOS DELE E DA SUA CONDUTA

Nada de sua justiça, compaixão aos pobres, temor a Deus, obediência à palavra divina. E essas coisas valem mais do que o dinheiro.

3 - LEMOS DO MENDIGO

Que era pobre, doente, dependente dos vizinhos para o seu sustento; e inferimos que era piedoso e temente a Deus. É de notar-se que a Escritura não diz por que ele foi levado ao seio de Abraão nem por que o rico foi para o Hades. O rico não era criminoso.

4 - OS DOIS DESTINOS

Claramente Jesus se refere a só dois lugares. Nada diz do purgatório. Os destinos são afastados um do outro e não há comunicação entre eles.

Conclusão

A narrativa nos dá a entender que a nossa sorte futura é determinada no presente. O Evangelho não é declarado nesta parábola. Não se fala da graça de Deus que oferece perdão ao pecador. Podes conhecê-lo desde já.

Autor: S. E. Mcnair / Adaptado por Andrei Barros


Receba Estudos Biblicos todos os dias!
Cadastre-se seu e-mail! É Grátis
     Digite seu Email Abaixo
Emails Cadastrados

OBS: Não esqueça de confirmar seu email em seguida!